Câmara Técnica de Portabilidade de Carências

 

Portabilidade de carência é o termo utilizado para designar ausência de carência quando o usuário decide trocar de plano de saúde.
A ANS iniciou o projeto de portabilidade em 2005 e pretende disponibilizá-lo até o fim deste ano. Para isso, já realizou duas câmaras técnicas ouvindo todos os setores envolvidos, como entidades de classe, de defesa do consumidor, operadoras, entre outros.

No último dia 6 de agosto, no Rio de Janeiro, ocorreu a segunda reunião do grupo envolvido nesta questão. A Fenasaúde apresentou sua proposta, discorrendo antes sobre o cenário atual dos planos, premissas básicas que envolvem o sistema atual, comparabilidade dos planos, risco da implantação (desinformação do consumidor, riscos jurídicos, desestímulo à prevenção e promoção da saúde pela mobilidade do plano e seleção adversa).

Assim, entende que a experiência deva ser iniciada com um projeto piloto e uma série que busque corrigir compatibilidade e elegibilidade entre os planos.

A Abramge, por sua vez, refere que a dificuldade maior se reflete na "seleção adversa", ou seja, em pacientes de risco elevado de migração de plano. Já a Unimed, defende a construção gradual e facultativa, migração em grupo (familiar), mudança após cinco anos de plano e mecanismos quem evitem o "oportunismo" entre as operadoras que recebem pacientes. O grupo Unidas, por se tratar de autogestão, não participa do projeto.

O Procon entende ser este um modelo difícil de alcançar, defendendo que a mobilidade já existe e o risco idem, sendo necessário ousadia para avançar.
A posição defendida pela AMB sempre foi e sempre será em defesa do usuário, entendendo também que deva haver um equilíbrio, pois o mercado de planos de saúde tem que se sustentar.

Em suas considerações finais, a ANS afirmou que "muitas contribuições ajudaram a entender que um mundo melhor custa mais caro e, por isso, talvez devesse ter início em plano municipal, no qual os custos são parecidos e não devem aumentar". E completa: "porém, deve-se tomar cuidado com oportunistas e os vendedores de planos. E o mais importante: que a portabilidade não deve gerar reajuste de preços".


Fonte:  Amilcar Giron - AMB

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora