Jutiça garante plano de saúde para aposentado por invalidez

AGORA SÃO PAULO

Jutiça garante plano de saúde para aposentado por invalidez


O TST (Tribunal Superior do Trabalho), última instância da Justiça do Trabalho, confirmou, em duas decisões recentes, que as empresas não podem mais cancelar o plano de saúde dos funcionários aposentados por invalidez.

Segundo o entendimento da Justiça, quando o trabalhador recebe a sua aposentadoria por invalidez, o seu contrato de trabalho não é cancelado. Dessa forma, o patrão não pode cortar os benefícios que já eram pagos quando ele estava na ativa - entre eles, o plano de saúde.
Mas só quem teve o benefício concedido por conta de um acidente ou uma doença do trabalho pode pedir a manutenção dos benefícios.

As decisões do TST, uma dada a um um bancário do interior de São Paulo e outra, a uma funcionária de uma empresa de telecomunicações do Espírito Santo, seguem a mesma tese da liminar (decisão provisória) concedida em junho a um operador de empilhadeira da cidade de Piracicaba (a 162 km da capital).

Em todos os casos, a Justiça do Trabalho determinou que a empresa mantenha ou restabeleça o plano de saúde dos funcionários que estão aposentados por invalidez.
O ministro do TST Alberto Bresciani registrou na sentença que a aposentadoria por invalidez provoca a suspensão temporária do contrato de trabalho, porém, isso não é um cancelamento definitivo.

"Assim, havendo apenas a suspensão do contrato, e não a sua extinção, o reclamante continua a ser empregado da instituição, fazendo jus à permanência em plano de saúde a que estava vinculado durante todo o contrato de trabalho", afirmou o ministro Bresciani, em sua decisão.

O empregado que recebe a aposentadoria por invalidez e teve o plano de saúde cancelado pela empresa pode pedir, na Justiça do Trabalho, a volta do convênio médico custeado pelo patrão.

De acordo com o advogado trabalhista Marcos Vinicius Poliszezuk, o trabalhador pode ter direito também à manutenção da cesta básica, do convênio odontológico e do plano farmacêutico -isso se ele já tinha esses benefícios antes, quando trabalhava.

Mas, com a suspensão do contrato de trabalho, a empresa não é obrigada a pagar o vale-refeição e o vale-transporte para os empregados que foram aposentados por invalidez. Atualmente, o INSS paga 2,8 milhões de aposentadorias desse tipo.

Pela regra do INSS, de dois em dois anos, o aposentado deve fazer um exame para verificar se ainda está incapaz para o trabalho.

Ação precisa de advogado

Para conseguir na Justiça que a empresa volte a pagar o seu plano de saúde, o empregado que recebe a aposentadoria por invalidez do INSS precisa contratar um advogado trabalhista.

Além disso, é preciso reunir provas que confirmem que a causa da incapacidade está mesmo relacionada à atividade profissional -ou seja, é preciso que a doença ou o acidente sejam relacionados ao trabalho.

O advogado do aposentado precisa entrar com o processo em um fórum trabalhista. Na capital, o endereço é avenida Marquês de São Vicente, 235, bloco A, 1º andar, na Barra Funda (zona oeste).

Se a empresa já cortou o plano de saúde, o advogado do trabalhador deve pedir uma liminar (decisão provisória) para que o convênio seja restabelecido até a decisão final da Justiça.
As duas sentenças do TST (Tribunal Superior do Trabalho) em favor dos trabalhadores podem ser citadas como exemplo no pedido.

Quando a liminar for concedida, a empresa terá que reativar o convênio, mesmo se recorrer da decisão.

(Juca Guimarães)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora