Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2008

Clientes de plano de saúde têm dor de cabeça com cobertura ampliada

Desde abril, os clientes de planos de saúde têm direito a uma série de tratamentos que não eram obrigatórios, entre eles sessões de fonoaudiologia, colocação de DIU e vasectomia.

Mas, na prática, muitos consumidores ainda encontram dificuldades na hora de conseguir o tratamento. É o que mostra levantamento feito pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), em julho, e divulgado na semana passada.

- Vemos que muitas (operadoras) ainda não se adaptaram e, em alguns casos, fazem exigências que não são adequadas para atender o cliente - afirma a advogada do Idec, Daniela Trettel.

A Samcil foi reprovada por não ter disponibilidade para atender pacientes que buscavam terapia ocupacional e psicoterapia. A empresa nega.

- Todas as especialidades inseridas pelo rol de procedimentos estão sendo oferecidas aos associados da Samcil, como determina a lei - diz uma nota.

A Dix Saúde também foi reprovada por oferecer sessões de fonoaudiologia e psicoterapia apen…

Planos de saúde 10 anos depois

JANUARIO MONTONE A LEI dos Planos de Saúde está completando dez anos. Aprovada em junho de 1998, marcou o começo do fim da selvageria que imperava no mercado de planos de saúde. Era um mercado sem credibilidade, marcado por verdadeiras arapucas que tomavam o dinheiro dos incautos, vendendo uma falsa proteção à saúde, chegando ao estelionato puro e simples das que fechavam as portas antes de terminar os longos períodos de carência dos planos vendidos. O modelo de negócio era predatório. O produto plano de saúde não tinha padrão. Cada empresa definia o seu, escolhendo o que e quando atender e, principalmente, o que não atender. Na prática, a maioria dos exames, procedimentos e cirurgias mais complexos eram excluídos da cobertura. Chegava-se ao absurdo de excluir doenças, sobretudo as "preexistentes". A qualquer tempo a empresa podia alegar que o usuário já sofria daquela doença antes de adquirir o plano e negar-lhe cobertura. O usuário que provasse o contrário. A empresa també…

Especialista comenta conflito jurídico sobre novo rol de procedimentos da ANS

Uma verdadeira batalha vem sendo travada nos tribunais desde que a ANS aprovou o novo rol de procedimentos que deveriam ser atendidos pelos planos de saúde, em abril deste ano. Segundo o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Medicina de Grupo (Abramge), Arlindo de Almeida, "Não dá para a ANS mudar as regras do jogo, retroagindo o aumento da cobertura a planos assinados a partir de 1999 sem nenhum reajuste. Os aspectos sociais levam vantagem sobre os técnicos, mas vamos até o fim". Para o advogado Luiz Felipe Conde, mestre em Saúde Suplementar e sócio do Escritório Pellon&Associados, "a Lei dos Planos de Saúde é de uma clareza ímpar ao delimitar que a cobertura obrigatória para os planos serão as das doenças listadas na Classificação Internacional de Doenças - CID (art. 10), e não procedimentos inerentes ao  planejamento familiar, cuja responsabilidade é do Estado brasileiro. A confusão introduzida no ordenamento jurídico pela ANS fez com que o conceito…

CORRETOR QUE VENDE PLANO DE SAÚDE PARA IDOSO PODE FICAR SEM COMISSÃO

Data:2/9/2008
Fonte: G1Corretores de seguros afirmam que não recebem comissão quando negociam planos de saúde para pessoas com mais de 59 anos. É um desestímulo às vendas para esse grupo de clientes. Profissionais ouvidos pelo "Jornal Hoje" dizem que atendem os idosos por "solidariedade".O consenso é que os clientes mais velhos não são bem-vindos nas empresas. Enquanto o corretor não ganha nada para os clientes idosos, para pessoas abaixo desta faixa etária a comissão pode chegar a três vezes o valor da primeira parcela.Vender um plano de saúde para um idoso é considerado um mau negócio pelas operadoras. Para planos vendidos para pessoas acima de 59 anos, dizem os corretores, não existe remuneração nenhuma.”Uma pessoa com mais idade, que necessita mais da utilização, ela não é muito bem aceita e vista nas operadoras. Ela não é bem vista porque sabem que essas pessoas com maior idade vão ter um gasto maior e iss…

Plano de saúde: Corretor pode ficar sem comissão

Corretores de seguros afirmam que não recebem comissão quando negociam planos de saúde para pessoas com mais de 59 anos. É um desestímulo às vendas para esse grupo de clientes. Profissionais ouvidos pelo "Jornal Hoje" dizem que atendem os idosos por "solidariedade". O consenso é que os clientes mais velhos não são bem-vindos nas empresas. Enquanto o corretor não ganha nada para os clientes idosos, para pessoas abaixo desta faixa etária a comissão pode chegar a três vezes o valor da primeira parcela. Vender um plano de saúde para um idoso é considerado um mau negócio pelas operadoras. Para planos vendidos para pessoas acima de 59 anos, dizem os corretores, não existe remuneração nenhuma. "Uma pessoa com mais idade, que necessita mais da utilização, ela não é muito bem aceita e vista nas operadoras. Ela não é bem vista porque sabem que essas pessoas com maior idade vão ter um gasto maior e isso gera um gasto excessivo pra operadoras e elas não se interessam"…