Troca de plano de saúde sem carência vale em 15 de abril

FOLHA DE S. PAULO - COTIDIANO - 7/3/09

 

A partir do dia 15 de abril, os clientes que estão insatisfeitos com a operadora de seu plano de saúde poderão mudar de empresa sem ter de cumprir uma nova carência - o prazo mínimo de permanência no convênio para ter direito a todos os benefícios. É o início da chamada portabilidade.

A informação foi dada por Eduardo Sales, diretor de fiscalização da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

Mas é preciso ficar atento: só terá direito à mudança quem firmou contrato a partir de 1999, quando entrou em vigor a lei que regulamenta os planos de saúde. A portabilidade não vale para contratos de planos anteriores a 1999.

Hoje, ao mudar de plano, o cliente pode ficar, por exemplo, 30 dias sem poder fazer consultas com especialistas, 180 dias sem ter direito a exames e 300 dias sem ter direito a cobertura de parto, dependendo de sua operadora. A carência chega a até dois anos em casos de doenças ou lesões preexistentes.

A mudança beneficia cerca de 6 milhões de usuários, 15% do total. "É um número baixo, mas o cliente não ficará preso a quem atende mal", afirma Arlindo de Almeida, presidente da Abramge (associação das operadoras). Pelas regras aprovadas pela ANS, a migração só poderá ser feita depois que o cliente ficar dois anos num plano ou três, no caso de doenças preexistentes.

A troca de convênio sem carência só poderá ser feita entre planos equivalentes ou para um de preço ou cobertura inferior. Para mudar para um plano de maior cobertura, o cliente terá nova carência.

O cliente que quiser mudar de operadora terá de fazer o pedido entre o mês do aniversário do contrato e o mês seguinte. Ou seja, ele só poderá pedir a mudança em um período de 60 dias. Se o contrato começou no mês de maio, por exemplo, o pedido terá de ser feito entre maio e junho.

Não será permitida a mudança de quem estiver inadimplente com a operadora antiga.
Ontem, a ANS e o Procon-SP assinaram um convênio sobre reclamações e dúvidas sobre a portabilidade.

JULIANA COLOMBO
DO "AGORA"

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora