A PORTABILIDADE DOS PLANOS DE SAÚDE

No próximo dia 15, entra em vigor à chamada “portabilidade dos planos de saúde”, regra segundo a qual os usuários deste sistema poderão mudar de Operadora sem a necessidade do cumprimento de novos prazos de carência, respeitada a regra instituída pela Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS.

Segundo a Resolução Normativa da ANS n.º 186/2009, cumprido os requisitos mínimos, as Operadoras de destino não poderão recusar os usuários que pretendam aderir ao plano beneficiando-se da portabilidade.

Evidentemente, a tendência é que a regra beneficie mais os usuários idosos, posto que, atualmente, são eles os maiores prejudicados em relação aos altos preços e restrições de cobertura praticada pelas Operadoras.

Ocorre que a referida Resolução da ANS não tratou, por completo, da forma pela qual o usuário deverá contatar a Operadora de destino para propor a sua adesão com portabilidade, isto é, se diretamente ou através de um corretor de planos de saúde, o que, por conseqüência, ficará a critério da empresa, exigir ou não a intermediação deste profissional.

Infelizmente, há no mercado uma prática reprovável que é o não pagamento da comissão do corretor quando este efetua a venda do plano de saúde para pessoas consideradas idosas, cujo intuito, por óbvio, é o de evitar despesas médico-hospitalares que essa população, mais exposta ao risco, pode acarretar.

Tal prática viola frontalmente o art. 14 da Lei n.º 9.656/98 (Lei dos Planos de Saúde), segundo o qual ninguém pode ser impedido de participar dos planos de saúde em razão de idade, além de contrariar também o art. 725 do Código Civil, segundo o qual é devida a remuneração do corretor quando este alcançar o resultado da mediação a que se propôs fazer.

Portanto, não tendo a ANS tratado do assunto, caberá ao usuário fiscalizar o processo no sentido de não ser impedido de aderir ao plano com portabilidade, e ao corretor, exigir o pagamento da sua comissão em virtude de ter efetuado a venda.

SÉRGIO PARRA MIGUEL

Advogado especialista em Planos de Saúde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora