PLANO DE SAÚDE É OBRIGADO A COBRIR PARTO DE ALTO RISCO

Data: 12/05/2009
Fonte: Uai

Uma decisão judicial obrigou o Plano de Assistência à Saúde do Aposentado (PASA) a cobrir despesas do parto de alto risco da filha de um funcionário da Companhia Vale do Rio Doce. A empresa também terá que reembolsar a família em R$ 570, referentes a exames obstetrícios.

Segundo informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a filha de um funcionário da Vale fez, em setembro de 2006, uma ultrassonografia coberta pelo plano de saúde, que constatou a gravidez de alto risco.

Entretanto, o plano não cobriu o parto cirúrgico, já que entidades como a Vale não são obrigadas a fornecer o "Plano referência", que oferece cobertura para partos e outros procedimentos cirúrgicos.

A gestante conseguiu uma liminar para garantir a cobertura completa do plano de saúde, mas a liminar foi cassada. Após entrar com um recurso, a psicóloga de 42 anos conseguiu vencer a disputa judicial contra a empresa.

O argumento utilizado pelos desembargadores dá conta de que a operação cesariana não foi programada e sim necessária à preservação da vida da mãe e da criança.

A decisão da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, favorável à filha do funcionário da Vale, é passível de recurso.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora