SAÚDE: INSEMINAÇÃO SEM COBERTURA DE PLANO


Data: 22/05/2009
Fonte: Diário de Pernambuco

Os casais com problemas de fertilidade terão que esperar mais um pouco para ter cobertura da inseminação artificial custeada pelos planos de saúde.

A proposta apresentada ontem pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na reunião da Câmara Técnica de Saúde Suplementar exclui a fertilização in vitro do rol de coberturas assistenciais.

Serão incluídos outros métodos para tratamento e diagnóstico da infertilidade, como o espermograma e a histerosalpingografia (exame de raio X do útero e das trompas). Até o fim da próxima semana a ANS vai publicar uma resolução normativa com a nova lista de coberturas.

A gerente geral técnico-assistencial de produtos da ANS, Martha Oliveira, explica que o estudo técnico apresentado à Câmara de Saúde Suplementar observa não só a legislação de planejamento familiar como a lei dos planos de saúde.

Segundo ela, para incluir a inseminação artificial no rol de procedimentos médicos dos planos terá que ser alterado o artigo número 10 da lei 9.656/98, onde estão listadas as exclusões de coberturas assistenciais na saúde privada.

"A ANS considera que o maior ganho para o usuário é poder fazer uma política de planejamento familiar na saúde suplementar", avalia Martha.

Segundo ela, a resolução normativa que será aprovada pela Diretoria Colegiada da ANS vai disponibilizar duas tabelas: uma delas com os procedimentos que já constam no rol e outra com os novos métodos que serão agregados para dar cobertura aos tratamentos de concepção.

De acordo com a gerente da ANS, são métodos e diagnósticos que podem auxiliar na investigação da infertilidade do casal e até mesmo facilitar os tratamentos que antecedem a inseminação artificial.

Ela antecipou apenas dois itens que serão incluídos na lei dos planos de saúde: o espermograma e o exame de raio X do útero e das trompas. A técnica acredita que os novos custos serão absorvidos pelas empresas sem a necessidade de aumento das mensalidades dos planos.

A ANS teve que reformular o rol de procedimentos médicos em vigor desde abril de 2008 porque a nova lei número 11.935/09 mudou o artigo 35-C da lei dos planos de saúde, incluindo o planejamento familiar.

Atualmente, os usuários com problemas de fertilidade têm que pagar do próprio bolso a fertilização in vitro ou entrar na Justiça para ter direito à cobertura do tratamento, que fica em torno de R$ 20 mil nas clínicas de reprodução humana.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora