Regulação excessiva asfixia setor de saúde suplementar

O impacto das RN's - resoluções normativas - 195 e 196 implantadas há cerca de seis meses pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ainda gera debate e questionamentos sobre até que ponto a regulação por parte da autarquia é saudável. Este foi o tema do encontro promovido nesta terça-feira, 25 de maio, pela Associação dos Corretores de Planos de Saúde e Odontológicos de SP (Acoplan), em parceria com o Clube Vida em Grupo de SP (CVG-SP) na Feira Hospitalar. Os advogados Angélica Carlini e Luiz Celso explicaram não só os detalhes das regras, mas o impacto que elas trazem para o setor, seja ele positivo ou não, e também as funções das agências reguladoras e o poder das mesmas. "Esperamos que este evento seja um elo inicial do nosso debate com a ANS para discutirmos a complexidade do mercado de saúde buscando concretizações", afirmou Ariovaldo Bracco, presidente da Acoplan. Para Angélica Carilini, a ANS não vai parar de lançar Resoluções Normativas tão cedo. "Muita regulação asfixia o setor ao invés de contribuir. Uma das funções da Agência é contribuir para o desenvolvimento de ações de saúde no País", observou ela. "Para isso, a autarquia tem de conhecer muito bem o mercado e conversar com os players, ter uma agenda comum para discutir prioridades e não esmagá-lo com controle excessivo". Na opinião da advogada, esta postura não tem sido adotada por nenhuma agência reguladora, independente do seu meio de atuação. Sobre o papel dos corretores de planos de saúde diante deste cenário, a especialista destacou que é preciso profissionalizar o canal de vendas e ter um material de esclarecimentos para que os clientes entendam todas essas mudanças que acontecem no setor. "As informações têm de ser regionais porque o Brasil é muito grande e cada corretor precisa estudar mais e se comunicar conforme o perfil do seu cliente, criando canais para isso", orientou ela. Outro entrave que prejudica o setor, segundo Angélica, é a questão do consumo sustentável. "Também é dever dos corretores explicar a importância da mutualidade no setor de saúde, evitando que conflitos cheguem ao judiciário", alertou. Mesma opinião compartilhou o advogado Luiz Celso. Segundo ele, é preciso alertar os beneficiários que exames só têm de ser feitos quando necessário. "Quem paga a conta é a própria carteira", garantiu ele, que completou: "E também o mutualismo". Sobre as principais mudanças causadas pelas RN?s 195 e 196, o especialista elencou a reajuste fixado uma vez ao ano, a figura das administradoras de benefícios, que passaram a ser reguladas pela ANS, formas de contratação, carências, entre outros. Para as operadoras, os riscos que podem advir das recentes resoluções, na visão do advogado, são a maneira como negociar e aplicar um único reajuste, oportunidades de negócios e de observar o padrão adotado pela concorrência. Já para as administradoras de benefícios, os riscos são: fidelização da carteira, competitividade e a regulação, que passou a ser feita pela autarquia. "O canal de vendas terá menos oportunidades por conta das restrições do mercado, mas os corretores devem aproveitar o giro da carteira para prestar serviços e fidelizá-la", acrescentou. "É importante que eles fortaleçam e criem parcerias não só com as operadoras, mas também com as administradoras de benefícios". Por último, ele destacou as mudanças para os contratantes. Além da migração oportunista, do reajuste anual e a questão dos agregados, prestadores e terceiros, Luiz Celso questionou a possibilidade da Agência querer incentivar os planos individuais. "Esse formato só voltará a ter destaque no mercado quanto tiver concorrência e a política de reajuste não seja de 'faz de conta'. Falta segurança jurídica e isso trava a volta dos planos individuais para a comercialização", finalizou. www.cqcs.com.br

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora