Setor de Saúde Suplementar em ebulição


Há um mês, Poder Econômico chamou a atenção para um movimento de fusões e aquisições no setor de planos de saúde. De acordo com dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), 25% das operadoras têm algum tipo de dificuldade financeira.
Carneiro: tamanho do mercado explica interesse estrangeiro (Foto: Ed Viggiani/Divulgação)
Carneiro: tamanho do mercado explica interesse estrangeiro (Foto: Ed Viggiani/Divulgação)
Além da concorrência com grandes players, 301 pequenas e médias empresas do setor enfrentam ainda embargo para novos clientes. O mercado está atento para essa tendência. Antonio Carlos Góes, analista-sênior da TOV Corretora, avalia que o setor vive um período de consolidação.
Para Luiz Augusto Carneiro, superintendente-executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), o setor, no Brasil, desperta grande interesse nas organizações nacionais e internacionais.
- O crescimento robusto do setor e do país, com aumento do emprego formal, impacta positivamente, explica.
Poucos mercados no mundo oferecem, afirma Carneiro, as oportunidades do Brasil neste momento.
Especialista na área, o advogado Sérgio Parra destaca o tamanho do mercado brasileiro como o principal atrativo. Mais de 48,6 milhões de pessoas têm planos de saúde e cada segurado paga, em média, R$ 300 por mês. Na avaliação do advogado, as grandes operadoras devem predominar no mercado tirando o espaço das menores.
A nova realidade também está levando grandes operadoras a se movimentarem no “tabuleiro”. Primeiro foi a Amil, vendida para o grupo americano UnitedHealt por R$ 9,9 bilhões em outubro. Agora o mercado espera a venda da Golden Cross, possivelmente para o grupo KKR, por cerca de R$ 1,1 bilhão.
Com gastos de R$ 59,2 bilhões em 2010 e previsão de desembolsar 35% a mais em 2030 devido ao envelhecimento da população, as operadoras de Saúde Suplementar já iniciaram a pressão para cobrar um pouquinho mais pelo serviço.
Por enquanto, está sendo mais fácil convencer o investidor estrangeiro a vir para cá operar com os preços de hoje do que o governo a permitir reajustes maiores.
Brigas maiores virão.
por Jorge Felix, com Klinger Portella, Poder Econômico, IG

Comentários

Anônimo disse…
Os planos de saúde suplementar deixam a sociedade descapitalizada para as internações médico-hospitalares. O correto seria o governo propor um plano de autogestão e decapitalização familiar. Este seria feito através de um Fundo Privado de Previdência COmplementar para a Saúde, que já foi proposto pela SPC e ANS em 18-12-3.008, mas que ainda não foi iniciado pelo governo.

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora