59% das operadoras de planos de saúde são bem avaliadas pela ANS

A avaliação dos planos de saúde do país melhorou. É o que mostra levantamento divulgado ontem pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Segundo o estudo, 59% das operadoras de saúde avaliadas pela agência em 2011 foram consideradas boas -735 empresas, de um total de 1.239 examinadas. 

Em 2010, apenas 31% das 1.517 operadoras pesquisadas (482 empresas) alcançaram essa avaliação. 

Dentre as empresas bem avaliadas em 2011, 566 atuam no segmento médico-hospitalar e 169 são exclusivamente odontológicas. O ranking com os resultados, no entanto, não foi divulgado. 

Entretanto, o usuário dos planos de saúde pode consultar o desempenho de cada operadora por meio do "Espaço Qualidade", no site da ANS (www.ans.org.br). 

Para acessar a avaliação, o consumidor precisa digitar o nome da empresa e número de registro na ANS ou CNPJ. 

As operadoras receberam notas de 0 a 1. Aquelas que tiveram resultado acima de 0,6 foram consideradas boas; entre 0,4 e 0,6, regulares; abaixo disso, ruins. 

As 735 operadoras bem avaliadas em 2011 somam 45,7 milhões de beneficiários em todo o país. 

Para se chegar à nota, o chamado IDSS (Índice de Desenvolvimento da Saúde Suplementar), são levados em consideração os seguintes itens: atenção à saúde, situação econômico-financeira, estrutura e operação e satisfação dos beneficiários. 

No ano passado, a agência nacional cancelou o registro de 150 operadoras, 13 a pedido das próprias empresas e as demais por ineficiências variadas. 

De acordo com a coordenadora de Qualidade e Conhecimento da agência, Andrea Carlesso Lozer, as operadoras mal avaliadas no levantamento foram avisadas e têm prazo de 15 dias para recorrer. Uma reavaliação é feita em dois ou três meses. 

"A operadora [mal avaliada] sofre acompanhamento mais rigoroso da ANS e pode até ter a suspensão de comercialização dos planos e ser cancelada", afirmou à Folha. 

O diretor-executivo da FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar), José Cechin, lembra que a avaliação foi aperfeiçoada nos últimos seis anos e mudou a visão das operadoras, que antes viam o instrumento com desagrado. 

"Agora elas buscam acompanhar esses diversos indicadores e obter resultados, fazendo enormes esforços para se aperfeiçoar", afirmou. 

DIANA BRITO 
DO RIO

FOLHA DE S. PAULO - COTIDIANO

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora