Governo adia punição aos planos de saúde que ignoram prazos


As operadoras de planos de saúde que descumpriram prazos de atendimento de consultas entre dezembro e março deste ano não serão punidas com a suspensão das vendas para novos clientes. 

A medida foi anunciada ontem pelo governo.

O ministro Alexandre Padilha (Saúde) afirmou, em audiência pública no Senado, que esse monitoramento, realizado entre 19 de dezembro e 18 de março, incorporou a análise de novos dados e que, para que haja a suspensão, é necessária a soma de dois períodos de monitoramento com os mesmos critérios, o que irá ocorrer em julho.

Segundo a ANS, a avaliação das operadoras se embasa em dois critérios: comparando-as entre si, dentro do mesmo segmento e porte, e avaliando evolutivamente seus próprios resultados.

Até dezembro do ano passado, a ANS levava em consideração a demora no atendimento dos usuários em consultas médicas para punir os planos de saúde.

Desde então, a ANS também passou a analisar o tempo para exames e cirurgias, negativa de cobertura, rol de procedimentos, carência, rede de atendimento, reembolso e autorização para os procedimentos médicos.

OUTROS SERVIÇOS

O ministro disse que a não punição das operadoras neste mês não as beneficia. "Pelo contrário. Vai melhorar ainda mais o aprimoramento porque nós incorporamos, além do prazo de atendimento, outras negativas."

Segundo o ministro, das 29 operadoras suspensas no último monitoramento, 17 continuam proibidas de vender planos porque não melhoraram o atendimento.

"O que queremos é estimular a reclamação, que o usuário comunique a ANS. A queixa registrada pelo usuário é decisiva para o controle de qualidade que é preciso ser feito nos planos de saúde", disse o ministro.

ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA


FOLHA DE S. PAULO - COTIDIANO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora