ANS faz outra avaliação e suspende venda de 150 planos de saúde



SERVIÇOS - DCI

14/11/2013 - 00h00

SÃO PAULO - A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou ontem nova rodada de avaliação do atendimento dos planos de saúde. Desta vez, a comercialização de 150 planos...

Roberto Dumke

SÃO PAULO
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou ontem nova rodada de avaliação do atendimento dos planos de saúde. Desta vez, a comercialização de 150 planos de 41 operadoras será suspensa, a partir de segunda-feira. O diretor-presidente da ANS, André Longo, diz que a medida tem efeito "pedagógico e disciplinar". As operadoras com mais planos afetados foram Amil (54) e Golden Cross (10). Oito operadoras vinculadas ao sistema Unimed totalizaram 20 planos suspensos. 
Os motivos para a suspensão seriam o descumprimento dos prazos de atendimento e negativas indevidas de cobertura. 
O número de planos cuja venda foi suspensa na sexta rodada foi de 212. Desses, 36 planos de 7 operadoras melhoraram seus índices de atendimento e voltarão a ser comercializados. Entre estas, estão: SulAmérica (13 planos) e Fundação Saúde Itaú (8 planos). 
"Percebemos que há um esforço do setor. Isso refletiu em menor número de queixas neste ciclo", disse o diretor de fiscalização da ANS, Bruno Sobral. No sexto ciclo, houve 17.417 queixas e neste, 15.158. De acordo com a agência, quatro a cada cinco reclamações são solucionadas por mediação de conflito. 
De acordo com o advogado Sérgio Parra Miguel, especialista em planos de saúde, as medidas da ANS são fruto do crescimento exagerado do mercado de saúde suplementar, que superou a capacidade da estrutura hospitalar. Entretanto, como as empresas sobrevivem da entrada de novos clientes para manter o equilíbrio da carteira, a suspensão de vendas gera uma situação "temerária", diz Parra. "Toda vez que se fecha a entrada de dinheiro novo, coloca-se a operação inteira em risco." 
Nesse sentido, a Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge) também questiona a ANS e diz que o processo de avaliação deve ser revisto, principalmente para a sustentabilidade de empresas com produtos suspensos. A Unimed do Brasil também afirmou já ter enviado para a agência os pontos em que discorda dos critérios. 
"Essa medida da ANS de suspender planos é paliativa", disse o superintendente jurídico da Unimed do Brasil, José Cláudio Ribeiro Oliveira. Em entrevista anterior ao DCI, ele afirmou que com a paralisação das vendas, a operadora pode acabar caindo em descrédito com hospitais e outros prestadores de serviço, o que prejudicaria ainda mais o atendimento. "É uma medida que acaba piorando a situação de operadoras em dificuldade. Acaba liquidando a empresa." 
De acordo com o último levantamento da ANS, 90 operadoras estão sob direção fiscal e mais oito sob direção técnica, ou seja, estão sendo acompanhadas por representantes da agência. Outras 83 operadoras estão com liquidação extrajudicial em andamento. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora