Pular para o conteúdo principal

Seguro saúde passa por mudanças e atrai corretores

Com as novas regras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em vigor desde 15 de outubro, o seguro saúde atravessa um momento delicado. As mudanças, porém, foram vistas como positivas pelos corretores de seguros que estiveram reunidos no Fórum de Benefícios - Vida, Previdência e Saúde, realizado pelo Sincor-SP em Atibaia (SP), entre os dias 13 e 15 de novembro. Hélio Novaes, da Quórum Seguros, Saúde e Previdência, que participou de talk show, no segundo dia de evento, acredita que as novas regras ajudarão a melhorar a gestão das apólices de saúde. "Nos últimos anos, os custos da saúde têm dobrado. Agora, haverá mais equilíbrio, pois, o reajuste será uma vez por ano", disse. Embora admita que o momento seja delicado, ele considera importantes as alterações. "Os corretores serão cobrados por seus clientes", advertiu.Durante o talk show em que se discutiram as oportunidades do seguro saúde, Newton Pizzotti, da Porto Seguro, chamou a atenção para as possibilidades de ganhos dos corretores. Em comparação com o seguro automóvel, que detém um volume de 10 milhões de veículos, o seguro saúde, segundo ele, tem potencial cinco vezes maior, já que o volume atual é de 55 milhões de usuários. "O saúde também cresce quatro vezes mais rápido que o automóvel. Por isso é interessante para o corretor", destacou. Luis Ioels, coordenador de saúde do Sincor-SP, também está otimista em relação às oportunidades que as novas regras trarão aos corretores. "Com a nova regulamentação, haverá melhoria na prestação de serviços e maior abrangência nos contratos, beneficiando os consumidores", disse. As mudançasA Resolução Normativa n° 200 da ANS, que alterou as resoluções 195 e 162, trouxe novas regras para a contração de planos de coletivos de saúde. Os planos de assistência à saúde oferecidos por pessoas jurídicas aos seus empregados passarão a ser denominados de planos empresariais. Já os planos por oferecidos por entidades classistas ou setoriais, como conselhos, sindicatos e associações profissionais, serão chamados de planos coletivos. Mas, essas não foram as únicas mudanças. A RN n° 200 estabelece que os planos de saúde coletivos somente possam ser reajustados a cada 12 meses e que a responsabilidade pelo pagamento será da pessoa jurídica contratante. Exceto para os aposentados e demitidos (conforme a Lei 9.656/98) e para as operadoras de autogestão e administração pública e administração direta e indireta (de acordo com a resolução). A RN n° 200 também cria uma série de regras para a concessão de carências. Nos planos empresariais com mais de 30 vidas, a isenção de carência será dada aos beneficiários que aderirem em até 30 dias da assinatura do contrato. O mesmo critério será aplicado aos planos coletivo, com a diferença de que poderá ser exigida a Cobertura Parcial Temporária. De acordo com a ANS, os contratos que se adequarem às novas não poderão ter novos beneficiários.  www.midiaseg.com.br

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece