3ª CÂMARA CÍVEL CONDENA UNIMED A PAGAR R$ 5 MIL POR DANOS MORAIS

Data: 12/05/2009
Fonte: Direito CE

Por unanimidade, a 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará condenou a Unimed a pagar cinco mil reais, por danos morais, a Caetano de Paula Lima, negando parcial provimento à apelação cível interposta pela empresa.

Foram levados em consideração os critérios de razoabilidade e proporcionalidade. A Turma manteve, parcialmente, a decisão da Justiça de 1º grau.

Segundo os autos, Caetano de Paula Lima é diabético e cliente da empresa desde 1996. Acometido por doença coronária, o médico cardiologista solicitou a implantação de um "stent" farmacológico, equipamento utilizado para dilatar as artérias e facilitar o fluxo sanguíneo.

A recomendação médica se deu diante da necessidade urgente de se desobstruir uma ponte de safena 80% comprometida, o que poderia levar Caetano a óbito.

A Unimed negou o fornecimento do aparelho, alegando que o "stent" farmacológico é um equipamento importado, cuja cobertura inexiste em contrato. O juiz da 11ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza, Yuri Cavalcante Magalhães, condenou a empresa a fornecer o equipamento, bem como ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais.

A empresa apelou e teve o recurso negado em Segunda Instância. De acordo com o relator do processo, desembargador Antônio Abelardo Benevides Moraes, o plano de saúde não pode interferir na escolha dos meios utilizados no tratamento do paciente.

A injusta recusa de cobertura agrava a situação de aflição psicológica e de angústia do usuário. Desta forma, a 3ª Câmara Cível reconheceu o dano moral e condenou a empresa ao pagamento de cinco mil reais, com incidência da correção monetária a partir da data de fixação e os juros moratórios a partir da citação.

Participaram da sessão de julgamento o desembargador Rômulo Moreira de Deus, presidente da 3ª Câmara, e os desembargadores Celso Albuquerque Macedo e Antônio Abelardo Benevides Moraes.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tratamento de obesidade mórbida em clínica de emagrecimento pode ser custeado por plano de saúde

Direitos da pessoa com câncer

Beneficiário de plano de saúde coletivo tem legitimidade para questionar rescisão unilateral por operadora