Pular para o conteúdo principal

Cobertura maior na saúde

Mais de 42 milhões de usuários de planos e seguros de saúde saberão até o fim do mês se terão cobertura de procedimentos como inseminação artificial e técnicas de tratamento de lesões da pele, entre outros, procedimentos que constam na lista dos tratamentos mais solicitados para inclusão na nova lista que as operadoras serão obrigadas a cumprir a partir de abril de 2010. Consumidores, prestadoras de serviço, gestores e as próprias empresas enviaram mais de 8 mil sugestões para a proposta da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que esteve em consulta pública até a segunda-feira desta semana e contou com a participação expressiva dos usuários. O texto elaborado pela agência já prevê, por exemplo, a inclusão de marcapasso multissítio, transplante alogênico de medula óssea, cirurgias torácicas por vídeo e prótese dentária unitária (coroa e bloco). Na próxima quinta-feira, a ANS apresentará a minuta do novo rol de procedimentos, com a incorporação das contribuições recebidas que julgar pertinentes, ao grupo técnico composto por 40 instituições que agregam operadoras, entidades de defesa do consumidor e outros agentes. Depois de se chegar a um consenso no grupo, a proposta seguirá para a diretoria colegiada do órgão. A expectativa de Martha Oliveira, gerente-geral técnico assistencial de produtos da agência, é de que o texto seja aprovado ainda este mês, para que os novos tratamentos estejam disponíveis em abril de 2010.  "As mudanças terão um impacto muito importante para o consumidor. Nos planos médico-hospitalares, aumentam, por exemplo, o número de consultas de novas especialidades (psicólogos, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, que se tornaram obrigatórias em 2008) e exames como o Pet Scan, para detectar ocorrências de câncer, que teve muita demanda na revisão anterior", destacou Martha. Além do avanço das discussões sobre transplante de medula, Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Pro Teste Associação de Consumidores, destacou a unificação do rol de procedimentos médicos e odontológicos, o que evita conflitos de atribuições entre as duas categorias profissionais. "A cobertura dos planos tem que acompanhar a atualização da medicina, para que o paciente tenha um tratamento menos invasivos e que agilize o diagnóstico, evitando assim, uma série de consequências. Ganha o consumidor e o plano de saúde", avaliou Maria Inês. A negativa de cobertura de planos e seguros de saúde é a principal queixa dos beneficiários tanto na ANS quanto nos órgãos de defesa do consumidor. A atualização periódica dos procedimentos minimiza o problema e evita também a enxurrada de ações para a execução de tratamentos que não constam como obrigatórios e que as operadoras acabam sendo obrigadas pela Justiça a cumprir. "O mais importante é que o judiciário tem percebido que a revisão (do rol) é periódica. A medicina acontece e a gente tem que ir atrás dela", pondera Martha. Esta semana, por exemplo, uma cliente Unimed Paulistana obteve na Justiça o direito ao tratamento de tireoide, que não estava previsto na cobertura do plano. Reajuste - Na última alteração dos procedimentos, em abril de 2008 - quando passaram a ser obrigatórios 2.973 itens, que incluíram técnicas como para anticoncepção (DIU, vasectomia e ligadura tubária), além de consultas com terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, nutricionistas e psicólogos -, operadoras de planos e seguros de saúde reagiram imediatamente e ingressaram com diversas ações na justiça, sob a alegação de que seria impossível fazer os atendimentos previstos sem um reajuste considerável das mensalidades. Nenhuma das ações, porém, obteve êxito e a ANS constatou que o impacto de aumento dos preços dos planos foi de apenas 1%. Terão direito à nova cobertura todos os beneficiários de planos novos, ou seja, os contratados a partir de 1º de janeiro de 1999.  www2.irb-brasilre.com.br

 

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data: 08/05/2009 Fonte: Bancários Boa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31. A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empr

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime. A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida. Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entre