Pular para o conteúdo principal

CORRETOR QUE VENDE PLANO DE SAÚDE PARA IDOSO PODE FICAR SEM COMISSÃO

 

 

 


Data: 2/9/2008
Fonte: G1

Corretores de seguros afirmam que não recebem comissão quando negociam planos de saúde para pessoas com mais de 59 anos. É um desestímulo às vendas para esse grupo de clientes. Profissionais ouvidos pelo "Jornal Hoje" dizem que atendem os idosos por "solidariedade".

O consenso é que os clientes mais velhos não são bem-vindos nas empresas. Enquanto o corretor não ganha nada para os clientes idosos, para pessoas abaixo desta faixa etária a comissão pode chegar a três vezes o valor da primeira parcela.

Vender um plano de saúde para um idoso é considerado um mau negócio pelas operadoras. Para planos vendidos para pessoas acima de 59 anos, dizem os corretores, não existe remuneração nenhuma.

”Uma pessoa com mais idade, que necessita mais da utilização, ela não é muito bem aceita e vista nas operadoras. Ela não é bem vista porque sabem que essas pessoas com maior idade vão ter um gasto maior e isso gera um gasto excessivo pra operadoras e elas não se interessam”, diz um corretor.

Com isso, os idosos enfrentam resistência para serem aceitos pelas operadoras. E, depois que consegue entrar, ainda enfrenta aborrecimentos: conseguir que o plano que normalmente custa uma fortuna seja eficiente e possa ser usado quando for preciso.

Dois planos

Oitenta e um anos de vida e péssimas experiências com planos de saúde. A socióloga Maria Sallas pagou o plano especial para idosos por seis anos.

Ela diz que teve problemas com a burocracia do plano de saúde quando precisava de um tratamento para o coração.

A socióloga tentou um atendimento melhor com outra empresa. Não deu certo de novo, resolveu trocar e mais uma decepção: uma carência de dois anos para o novo contrato. Para não ficar sem cobertura neste prazo, a família de Maria paga dois planos.

"É claro que eu fiquei muito aborrecida e muito nervosa, contrariada”, diz a socióloga.

Os corretores revelam ainda que só as grandes empresas pagam uma pequena comissão, desde que o cliente idoso não tenha doenças graves.

Um problema para quem precisa do salário no fim do mês. “Se ele tiver cinco ou dez pessoas acima de 59 anos no mês, esse dinheiro vai fazer falta para o sustento da família dele”, ressalta um corretor que preferiu não se identificar.

Arlindo Almeida, da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), diz que tudo depende da política da empresa. "Não há qualquer tipo de irregularidade", afirma.

"Abuso"

Segundo o Ministério Público de São Paulo, essa prática das operadoras pode ser considerada abusiva, porque o idoso nunca pode ser discriminado.

A Agência Nacional de Saúde (ANS), responsável pela fiscalização dos planos de saúde, informou que qualquer dificuldade de atendimento por parte de beneficiários, idosos ou não, deve ser denunciada à ANS.

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece