Pular para o conteúdo principal

CORRETOR QUE VENDE PLANO DE SAÚDE PARA IDOSO PODE FICAR SEM COMISSÃO

 

 

 


Data: 2/9/2008
Fonte: G1

Corretores de seguros afirmam que não recebem comissão quando negociam planos de saúde para pessoas com mais de 59 anos. É um desestímulo às vendas para esse grupo de clientes. Profissionais ouvidos pelo "Jornal Hoje" dizem que atendem os idosos por "solidariedade".

O consenso é que os clientes mais velhos não são bem-vindos nas empresas. Enquanto o corretor não ganha nada para os clientes idosos, para pessoas abaixo desta faixa etária a comissão pode chegar a três vezes o valor da primeira parcela.

Vender um plano de saúde para um idoso é considerado um mau negócio pelas operadoras. Para planos vendidos para pessoas acima de 59 anos, dizem os corretores, não existe remuneração nenhuma.

”Uma pessoa com mais idade, que necessita mais da utilização, ela não é muito bem aceita e vista nas operadoras. Ela não é bem vista porque sabem que essas pessoas com maior idade vão ter um gasto maior e isso gera um gasto excessivo pra operadoras e elas não se interessam”, diz um corretor.

Com isso, os idosos enfrentam resistência para serem aceitos pelas operadoras. E, depois que consegue entrar, ainda enfrenta aborrecimentos: conseguir que o plano que normalmente custa uma fortuna seja eficiente e possa ser usado quando for preciso.

Dois planos

Oitenta e um anos de vida e péssimas experiências com planos de saúde. A socióloga Maria Sallas pagou o plano especial para idosos por seis anos.

Ela diz que teve problemas com a burocracia do plano de saúde quando precisava de um tratamento para o coração.

A socióloga tentou um atendimento melhor com outra empresa. Não deu certo de novo, resolveu trocar e mais uma decepção: uma carência de dois anos para o novo contrato. Para não ficar sem cobertura neste prazo, a família de Maria paga dois planos.

"É claro que eu fiquei muito aborrecida e muito nervosa, contrariada”, diz a socióloga.

Os corretores revelam ainda que só as grandes empresas pagam uma pequena comissão, desde que o cliente idoso não tenha doenças graves.

Um problema para quem precisa do salário no fim do mês. “Se ele tiver cinco ou dez pessoas acima de 59 anos no mês, esse dinheiro vai fazer falta para o sustento da família dele”, ressalta um corretor que preferiu não se identificar.

Arlindo Almeida, da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), diz que tudo depende da política da empresa. "Não há qualquer tipo de irregularidade", afirma.

"Abuso"

Segundo o Ministério Público de São Paulo, essa prática das operadoras pode ser considerada abusiva, porque o idoso nunca pode ser discriminado.

A Agência Nacional de Saúde (ANS), responsável pela fiscalização dos planos de saúde, informou que qualquer dificuldade de atendimento por parte de beneficiários, idosos ou não, deve ser denunciada à ANS.

 

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data: 08/05/2009 Fonte: Bancários Boa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31. A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empr

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime. A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida. Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entre