Pular para o conteúdo principal

O CASO DA AVIMED

 

 

 


Data: 1/4/2009
Fonte: O Estado de São Paulo

Não é de hoje que empresas de planos de saúde quebram e abandonam seus clientes, que são catapultados para o primeiro plano que deseja levar a carteira de usuários. Acompanho situações assim desde que a lei do setor foi criada, há dez anos.

Mas a (triste) história dos cerca de 200 mil beneficiários da Avimed já é demais. São três quebradeiras seguidas e nenhuma perspectiva de atendimento digno! Imagine: pagar mais para ter assistência sem filas, mas ter de enfrentar esperas de dois meses para um exame. A sorte dos governos é que os usuários da Avimed mais prejudicados não fazem muito barulho, são idosos e doentes.

A Avimed comprou parte da carteira de clientes da Saúde ABC (que também quebrou), que por sua vez havia comprado clientes da Interclínicas em 2004, empresa que tinha Oswaldo Cruz e outros hospitais de ponta em sua rede, mas foi mais uma que desapareceu do mercado.

Bem, agora foi a vez da Avimed quebrar. E o pior. A única interessada até agora em levar a carteira é a Itálica Saúde, empresa que recebeu nota abaixo da mediana na última avaliação sobre qualidade dos planos da Agência Nacional de Saúde Suplementar. A agência analisa o negócio há exatamente uma semana, sem dar sinal de qual será o caminho para os usuários.

Aliás, a nota da avaliação de qualidade não é levada em conta ainda pela legislação que embasa a transferência de carteiras de clientes planos. Portanto, sim, uma empresa com notas ruins – o que quer dizer que ela provavelmente já tem problemas financeiros e de atendimento – pode comprar clientes de outra que também era ruim e quebrou.

E ainda: nos último dias até deputados têm intercedido em favor da Itálica, muito estranho. Faz lembrar o negócio com a Saúde ABC, que também já não ia bem das pernas e mesmo assim levou milhares de clientes da Interclínicas.

Outra esquisitice: antes mesmo de o negócio com a Itálica ser aprovado pelo governo, no entanto, a empresa já está atendendo junto com a Avimed, o que é irregular, mas não há notícia ainda de punição por parte da agência.

Um dia desses, uma pessoa me perguntou: “por que esses clientes da Avimed não vão embora de vez? É melhor que busquem o SUS !”

Bem, não é fácil assim. Quem está doente ainda tem carência para o atendimento se for para um novo plano. Outra coisa, os planos individuais são cada vez menos comuns no mercado, pois as operadoras preferem ofertar planos empresariais, cujos reajustes não são controlados pelo governo.

Por fim, os clientes temem, e com razão, deixar os planos e ter de enfrentar as também nebulosas filas do SUS, com meses de espera para consultas com especialistas e exames.

Para entender melhor o absurdo da situação, veja o relato feito ao Núcleo de Saúde por João Alberto Ianez, de 69 anos e sua mulher, de 68 anos, ex associados da Interclínicas que tiveram câncer e sofrem com seus plano todos esses anos.

“Até hoje não tivemos o cumprimento do nosso plano, que era da Interclínicas e tinha hospitais como o Oswaldo Cruz. Isto acabou com a venda para a Saúde ABC, mas continuamos pagando. Só que agora é o fim da picada. Estão nos jogando em um plano ainda mais abaixo do que os outros. Já vi a rede da nova empresa, a Itálica, e é uma simplicidade! Pagamos R$ 2.370 por mês, eu e a minha esposa!"

"No início da Avimed, até achamos legal, eles chegavam a reembolsar por alguns atendimentos. Mas depois começaram a cortar. Fui lá no atendimento da ANS em novembro e só fiquei mais nervoso. Disseram que não tinham nada a fazer. Eu também já havia reclamado em 2007, quando era saúde ABC. Nisso tudo, o que mais me surpreende é a postura da agência. Em primeiro lugar, eles nunca deveriam ter deixado a Interclínicas ser vendida à Saúde ABC. A minha mulher teve câncer de mama e eu, câncer de próstata. Tenho de fazer exames de acompanhamento, simples, de sangue, e radiografia, mas me mandaram atravessar a cidade porque só um lugar faz. Ia gastar mais com o deslocamento,então resolvi pagar particular. Também já troquei umas dez vezes de urologista, porque cada hora um é descredenciado."

"Esses dias, levei 1h30 para falar no atendimento. Agora, em que eles já estão trabalhando com a Itálica, fui tentar marcar um ultrassom de abdômen e só tinha para 19 de maio! Já a colonoscopia e endoscopia, só para 27 de abril! Ontem fui a mais uma consulta com urologista, estava marcada para 8h10 e até as 10h30 não tinha sido atendido. É uma situação muito complicada, principalmente para idosos. Tentei entrar em um novo plano, por uma empresa que eu tenho, mas não me aceitaram. Não tem para onde ir, não tem opção. Estou pagando uma exorbitância e não tenho um plano. Onde vou me apoiar, o que posso fazer?”.

Infelizmente ninguém tem uma resposta para João e sua mulher que não seja brigar na Justiça pelo seus direitos.

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece