Pular para o conteúdo principal

OPERADORA DESCREDENCIA 47 CLÍNICAS EM ABRIL E MAIO


Data: 25/6/2009
Fonte: Valor OnLine

Entre abril e maio, a Unimed Paulistana descredenciou 47 clínicas na cidade de São Paulo e arredores. Segundo a cooperativa, os desligamentos ocorreram após a incorporação de cerca de 500 médicos à base de cooperados, o que reduziu a necessidade de uma rede terceirizada de prestadores de serviço.

Das 47 clínicas, a Unimed informa que 23 foram descredenciadas por completo e 24 tiveram o serviço de consulta suspenso.

“Nosso foco é dar trabalho ao médico cooperado”, diz Mario Santoro Junior, presidente da operadora de planos de saúde. Segundo ele, uma rede maior de prestadores credenciados (chegavam a 300) foi necessária enquanto a base de médicos próprios esteve reduzida.

Desde 2008, a cooperativa vem ganhando novos membros. No fim do ano, ela contava com 1,8 mil médicos. Hoje, tem 2,1 mil e outros 233 em preparação.

Os novos médicos tiveram que pagar mais para entrar na cooperativa, já que em 2008 o valor da cota subiu de R$ 15 mil para R$ 40 mil. Por outro lado, a Unimed reduziu de dois anos para apenas uma semana o tempo que o médico fica num tipo de estágio, antes de ser aceito como membro.

As medidas tomadas pela Unimed frustraram as clínicas descredenciadas e chamaram a atenção do Sindhosp, sindicato que representa clínicas, laboratórios e hospitais paulistas.

“É a primeira vez que vemos um descredenciamento tão grande”, diz Dante Montagnana, presidente da entidade. “Isso causa um impacto financeiro muito forte para as clínicas e, mais importante, um impacto para o usuário do plano de saúde”, diz.

“O descredenciamento foi completamente irregular e anti-ético com os pacientes”, afirma Luiz Carlos Gracitelli, dono da rede de clínicas de ortopedia Ortocity, que foi desligada do serviço de consulta e pronto-socorro, mas teve o serviço de reabilitação mantido.

Segundo ele, as consultas foram suspensas pela Unimed a partir de 2 de maio, mas o aviso verbal foi dado em 13 de abril e só chegou por escrito no dia 28 do mesmo mês. “Foi descumprida a cláusula do contrato que estabelece 30 dias para a rescisão”, diz.

Segundo ele, a central de atendimento da Unimed também passou informações erradas aos pacientes. “Diziam que nós estávamos atendendo e quando o paciente chegava, tínhamos que negar o atendimento”, afirma.

Além disso, diz, alguns pacientes tiveram o tratamento interrompido. Segundo Gracitelli, desde o desligamento, a Ortocity deixou de fazer cerca de 2,5 mil atendimentos por mês, cerca de 15% do total. Por causa disso, diz ter demitido 30 dos 300 funcionários.

 A clínica Coti, na zona Norte de São Paulo, teve suspenso o serviço de consultas e perdeu cerca de 40% dos atendimentos. Do total de 20 funcionários, metade foi demitida. Segundo a gerente, Edilene de Abreu, a Unimed permitiu a manutenção dos tratamentos em andamento.

Santoro, da Unimed, rebate que todos os prazos estabelecidos em contratos foram mantidos, assim como os tratamentos que já estavam acontecendo.

 

 

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data: 08/05/2009 Fonte: Bancários Boa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31. A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empr

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime. A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida. Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entre