Pular para o conteúdo principal

UNIMED PAULISTANA RECONHECE DÍVIDA


Data: 25/6/2009
Fonte: Valor OnLine

Após ser colocada contra a parede pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a Unimed Paulistana deu o primeiro passo para tentar solucionar antigas dívidas tributárias que somam centenas de milhões de reais.

A operadora de planos médicos, que funciona no modelo de cooperativa, incluiu pela primeira vez em seu balanço patrimonial um passivo fiscal de R$ 657,6 milhões, que vem sendo acumulado há mais de quinze anos— inclui dívidas de PIS, Cofins, ISS e IRPJ, entre outros itens.

A contabilização desse débito vinha sendo exigida pela ANS desde 2007, inclusive por meio de um plano de recuperação — uma medida do regulador que obriga a operadora a resolver determinado problema.

Por duas vezes, a Unimed Paulistana descumpriu as exigências. “Decidimos dar uma última oportunidade. Ou a operadora contabilizava esse passivo até o dia 25 (hoje) ou entraria em direção fiscal”, afirma Alfredo Cardoso, diretor de normas e habilitação de operadoras da ANS.

A direção fiscal é um regime em que o regulador aponta um técnico para promover mudanças na operadora.

A Unimed Paulistana, uma das cinco maiores operadoras da grande São Paulo, com cerca de 750 mil clientes, publicou este mês um novo balanço que inclui a dívida tributária. O diretor da ANS lembra que essa situação ocorreu também com diversas outras operadoras.

A origem do problema é o questionamento jurídico que as cooperativas fazem em relação à obrigação de pagar determinados tributos sobre sua atividade consolidada, uma vez que os próprios médicos cooperados já pagam tributos isoladamente. “Mas o entendimento da ANS é que a discussão jurídica não isenta as operadoras de provisionar possíveis dívidas”, diz.

Embora tenha contabilizado R$ 657 milhões em seu passivo, a Unimed Paulistana lista, nas notas explicativas de seu balanço, contingências tributárias que chegam a um total R$ 1,26 bilhão.

Mario Santoro Junior, presidente da Unimed Paulistana, diz que a operadora tem diversas ações legais que questionam esses débitos e que o entendimento dos advogados da cooperativa é que a chance de perder parte desses processos são remotas. Por isso, não foram contabilizadas todas as contingências.

O parecer dos auditores da companhia, a firma Grunitzky, traz ressalvas, uma delas sobre o fato de a cooperativa ter deixado de lançar no passivo um débito de R$ 364 milhões envolvendo o pagamento de ISS à prefeitura de São Paulo.

Jarbas Machioni, advogado da operadora, discorda da ressalva “porque não há a menor chance de a Unimed perder as ações que questionam essa contingência. Há decisões e pareceres que sustentam nossa posição”, diz.

Outra ressalva dos auditores é a forma como a dívida de R$ 657milhões foi contabilizada. Ela foi lançada no passivo junto com um ativo no mesmo valor, como crédito a receber dos cooperados a longo prazo.

“O problema que foi apontado pelos auditores é que a operadora não apresenta nenhum tipo de lastro que garanta a existência desse ativo”, diz Sebastião Gonçalves dos Santos, do Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo (CRC), que analisou o balanço a pedido do valor.

Cardoso, da ANS, diz que os cooperados têm obrigação legal de quitar eventuais dívidas da cooperativa, de forma que é possível constituir esse ativo para contrabalançar os passivos tributários.

Isso, segundo ele, está respaldado pela ANS e por uma norma do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon).

Com essa medida, a Unimed Paulistana neutralizou o efeito da contabilização da dívida sobre o seu patrimônio líquido (ativos menos passivos). “Se não fosse assim, transformaríamos uma empresa solvente e saudávelnuma compatrimônio líquido negativo”, afirma Santoro.

Apesar de questionar as dívidas contabilizadas, a Unimed Paulistana se prepara para quitar os R$ 657 milhões no novo programa de parcelamento de débitos tributários, o “Refis da crise”, em fase de regulamentação.

A ideia é pagar a dívida em 15 anos, com desconto de cerca de 50%. “A nossa geração de caixa será mais do que suficiente para pagar as parcelas, em torno de R$ 1,8 milhão ao mês”, diz.

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece