Pular para o conteúdo principal

PROJETO DE LEI 4.076/2001: LEI MUDA PLANOS DE SAÚDE


Data: 17/9/2009
Fonte: Diário de Pernambuco

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) mobiliza os consumidores para pressionar o Congresso Nacional pela aprovação do projeto de lei 4.076/2001 que amplia as garantias dos usuários de planos de saúde.

Entre as mudanças está a redução de carência de 24 meses para 12 meses dos pacientes com doenças ou lesões preexistentes, o fim das restrições dos atendimentos emergenciais, além da autorização imediata de consultas, exames e cirurgias e da ampliação da portabilidade de carência para todos os tipos de planos. A nova lei muda substancialmente a lei dos planos de saúde (lei 9.656/99), estabelecendo novas regras para o setor de saúde suplementar.

Já aprovado pela Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados, o substitutivo do deputado Cezar Silvestri (PPS/PR) reúne vinte e sete projetos que trata dos planos de saúde. O relator acolheu sugestões dos órgãos de defesa do consumidor, incluindo vários pontos que resolvem os principais problemas enfrentados pelos usuários.

"São propostas que acabam, por exemplo, com a omissão da Agência Nacional de Saúde Suplementar no reajuste dos contratos coletivos e proíbe a rescisão unilateral dos contratos pelas operadoras", comenta Daniela Trettel, advogada do Idec.

Cai de 24 para 12 meses, carência para preexistência

Outro ponto benéfico para o consumidor é o fim das restrições dos atendimentos emergenciais. Pelas regras atuais, a ANS limita esses atendimentos à assistência ambulatorial e pelo período máximo de 12 horas.

A técnica do Idec destaca que há casos de emergência que o usuário precisa de internação hospitalar e é encaminhado para o Sistema Único de Saúde (SUS). "O projeto deixa claro que não pode haver restrição para urgência e emergência", diz Daniela.

A portabilidade de carência também é alterada com a inclusão dos contratos coletivos. Pelas regras atuais, a mudança de plano sem o cumprimento de carências só contempla os usuários dos planos individuais e familiares assinados a partir de janeiro de 2009.

A marcação de consultas, exames e outros procedimentos deve ser feita de imediato pelas operadoras, priorizando os idosos acima de 60 anos, gestantes, lactantes e crianças de até 5 anos.

As operadoras acompanham de perto a tramitação do projeto. Arlindo Almeida, presidente nacional da Associação Brasileira das Empresas de Medicina de Grupo (Abramge), argumenta que o projeto traz mudanças radicais na lei dos planos de saúde.

"Há coisas que podem perturbar o mercado de saúde suplementar. O projeto é uma salada mista com pimenta", dispara. Ele cita a mudança na portabilidade de carência e a diminuição de faixa etária para a fixação de reajuste.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar não comenta a mudança na lei. O projeto deve ser colocado em votação na próxima quarta-feira, na Comissão de Direito do Consumidor da Câmara.

Planos de Saúde

O que pode mudar

- Diminui a carência para utilização do plano, em casos de pacientes com doenças ou lesões preexistentes, de 24 para 12 meses

- Impede restrições de atendimentos emergenciais. Hoje, a ANS limita, para quem ainda está cumprindo carência, a atendimento ambulatorial e pelo período máximo de 12 horas

- Fixa tempo para atendimento do consumidor (autorizações de exames e cirurgias, por exemplo)

- Simplifica as regras de portabilidade de carências e a estende a todos os tipos de planos. Hoje, a portabilidade é aplicada apenas para contratos individuais e familiares assinados a partir de janeiro de 2009

- Obriga a ANS regular todos os planos de saúde, interferindo nos reajustes de contratos coletivos e nas rescisões contratuais. Hoje os reajustes desses planos são livres e deixa margens para o cancelamento unilateral de contrato

Fonte: Projeto de lei 4.076/2001

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece