Pular para o conteúdo principal

PLANO DE SAÚDE DEVE FORNECER PRÓTESE IMPORTADA À PACIENTE


Data: 9/10/2009
Fonte: TJ-MT

Comprovado, por meio de laudo médico, que a prótese importada é mais adequada à paciente, por possuir maior durabilidade, diminuir as intervenções cirúrgicas para revisão e também por não existir trabalho científico comprovando a qualidade do material nacional, o plano de saúde deve fornecer o produto solicitado, principalmente quando inexistente qualquer vedação contratual.

Esse é o entendimento da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que não acolheu a Apelação nº 14519/2009, interposta pela Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil – Cassi, e manteve decisão que lhe obrigara a fornecer a uma cliente uma prótese importada a ser implantada no quadril dela.

No recurso, a apelante sustentou que os limites estabelecidos no contrato celebrado pelas partes deveriam ser observados, não competindo ao Poder Judiciário modificar os termos da avença. Afirmou que a Lei 9.656/1998, ao dispor sobre o fornecimento de próteses, órteses e acessórios ligados ao ato cirúrgico, não estabeleceria a obrigatoriedade de que esse material seria importado e que em nenhum momento se negou a fornecer o material solicitado estando-lhe à disposição similar, em versão nacional, com a mesma qualidade do importado.

Aduziu que não haveria prova nos autos de que a qualidade do produto nacional seja inferior a do importado, ou que este seja o único capaz de solucionar o problema da apelada. Sustentou que o plano de saúde por ela prestado é disponibilizado apenas aos funcionários do Banco do Brasil, seus dependentes e familiares, e que o sistema adotado pela entidade assistencial é o de autogestão, de modo que seria incabível a aplicação da legislação consumerista no caso dos autos.

Em seu voto, o relator do recurso, desembargador Rubens de Oliveira Santos Filho, explicou que o caso em questão, trata-se de relação de consumo, e as normas contratuais devem ser interpretadas em favor do consumidor, sendo que as cláusulas limitativas devem estar expressamente previstas.

“Quanto à determinação de fornecimento da prótese importada, a sentença também não merece reparos. De fato, a Lei n. 9.656/98 não dispõe sobre a obrigatoriedade de fornecimento de prótese importada, porém essa necessidade deve ser avaliada diante do caso concreto”, explicou.

O médico especialista, no laudo médico, afirmou que não existe comprovação científica da qualidade do material nacional para artroplastia total de quadril e disse que a prótese importada possui maior durabilidade, diminuindo intervenções cirúrgicas para revisão. “Desse modo, atestada a necessidade do material importado, não pode a apelante se negar a fornecê-lo”, observou o relator.

O juiz Paulo Sérgio Carreira de Souza (revisor convocado) e o desembargador Orlando de Almeida Perri (vogal) acompanharam voto do relator. A decisão foi unânime.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Liminar suspende cobrança de aviso prévio por operadora de plano de saúde

A juíza Luciana Bassi de Melo, da 5ª Vara Cível de Pinheiros (SP), suspendeu a cobrança de aviso prévio por operadora de plano de saúde. A decisão liminar é desta terça-feira (1º/10).
Reprodução A antecipação de tutela pedia a suspensão da publicidade do nome de uma cliente como inadimplente. Seu nome constava nos cadastros de órgãos de proteção ao crédito por uma suposta dívida de R$ 7,5 mil com o plano de saúde. A advogada que atuou no caso, Juliana Akel Diniz, do escritório Fidalgo Advogados, explica que desde outubro de 2018 as operadoras de planos de saúde privada estão proibidas de cobrar mensalidades adicionais em caso de rescisão de contrato. "O cancelamento, seja lá por qual razão for, tem que ser imediato, sem nenhum tipo de cobrança de aviso prévio e/ou multa. Porém, na prática, as operadoras prestadoras de serviços, mesmo cientes disso, continuam cobrando esses valores dos consumidores, o que é ilegal e abusivo", afirma. Para a advogada, essa é "mais uma for…

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime.

A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida.

Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entretanto, foi julg…

Medida da ANS inclui 37 medicamentos orais para o tratamento domiciliar de diferentes tipos de câncer e 50 novos exames, consultas e cirurgias. Confira a lista!

A partir de janeiro de 2014, os beneficiários de planos de saúde individuais e coletivos terão direito a mais 87 procedimentos, incluindo 37 medicamentos orais para o tratamento domiciliar de diferentes tipos de câncer e 50 novos exames, consultas e cirurgias (veja a lista completa no fim do texto). A medida é resultado de consulta pública realizada pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e beneficia 42,5 milhões de consumidores com planos de saúde de assistência médica e outros 18,7 milhões consumidores com planos exclusivamente odontológicos. As novas incorporações foram anunciadas nesta segunda-feira, dia 21,em Brasília, pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o diretor-presidente da ANS, André Longo.