Pular para o conteúdo principal

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime.

A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida.

Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entretanto, foi julgado improcedente. Na apelação, o Tribunal estadual, considerando as circunstâncias do caso, decidiu majorar o valor da indenização para R$ 20 mil.

Inconformado, o filho da segurada recorreu ao STJ buscando o aumento da verba indenizatória para valor não inferior a 500 salários-mínimos, pelas falhas nos serviços prestados pela U. e que deram causa ao falecimento.

Destacou, ainda, que a morte de sua mãe proporcionou à U. uma economia de, aproximadamente, R$ 100 mil, pois este foi o valor que ela deixou de despender com o procedimento cirúrgico, as próteses e as órteses necessárias à sua sobrevivência.

Para o relator do recurso, ministro Sidnei Beneti, o valor fixado pelo TJRJ para o filho, pela morte de sua mãe, diverge do valor que o plano de saúde deixou de despender, ou seja, aproximadamente R$ 100 mil, destoando-se, ainda, dos valores aceitos pelo STJ para casos assemelhados, isto é, de dano moral decorrente de morte de familiar por falha na prestação do serviço, consolidada na demora injustificada para o fornecimento de autorização para cirurgia.

REsp 1119962

 

Comentários

Anônimo disse…
POR ISSO TUDO ACABA NO STJ E STF, EM SÃO PAULO SERRA NÃO SABE O QUE É UMA DERROTA NO TJSP.

JUIZA QUE CONDENOU VARIOS POLICIAIS SEM PROVAS GANHA PREMIO DO GOVERNO SERRA.

ANDREA BARREIRA BRANDÃO MONTES

Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – NotíciaANDRÉA BARREIRA BRANDÃO MONTES J.D. da 3ª V. das Execuções Criminais Central … Andréa Barreira Brandão Montes, Juíza de Direito da 3ª Vara das Execuções …
http://www.tj.sp.gov.br/…/News_Imprimir.aspx?…480... – Em cache – Similares
Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – NotíciaAndréa Barreira Brandão Montes, Juíza de Direito da 3ª Vara das Execuções Criminais Central. Dr. PAULO EDUARDO DE ALMEIDA SORCI, Juiz de Direito, …
http://www.tj.sp.gov.br/…/News_Imprimir.aspx?…1467... – Em cache – Similares

Exibir mais resultados de http://www.tj.sp.gov.br
TJSP instala quatro varas das Execuções Criminais na capital26 Out 2007 … A juíza designada para assumir a 3ª Vara das Execuções Criminais é Andréa Barreira Brandão Montes. Sua competência abrange processos de …
http://go2.wordpress.com/?id=725X1342&site=flitparalisante.wordpress.com&url=http%3A%2F%2Fwww.jurisway.org.br%2Fv2%2Fnoticia.asp%3Fidnoticia... – Em cache – Similares
TJSP instala varas de Execução Criminal na capital | TJSP – Notícias29 Out 2007 … A magistrada da 3ª é Andréa Barreira Brandão Montes, e o da 4ª é Rogério Alcazar. Após o término da solenidade o presidente desembargador
Anônimo disse…
POR ISSO TUDO ACABA NO STJ E STF, EM SÃO PAULO SERRA NÃO SABE O QUE É UMA DERROTA NO TJSP.

JUIZA QUE CONDENOU VARIOS POLICIAIS SEM PROVAS GANHA PREMIO DO GOVERNO SERRA.

ANDREA BARREIRA BRANDÃO MONTES

Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – NotíciaANDRÉA BARREIRA BRANDÃO MONTES J.D. da 3ª V. das Execuções Criminais Central … Andréa Barreira Brandão Montes, Juíza de Direito da 3ª Vara das Execuções …
http://www.tj.sp.gov.br/…/News_Imprimir.aspx?…480... – Em cache – Similares
Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – NotíciaAndréa Barreira Brandão Montes, Juíza de Direito da 3ª Vara das Execuções Criminais Central. Dr. PAULO EDUARDO DE ALMEIDA SORCI, Juiz de Direito, …
http://www.tj.sp.gov.br/…/News_Imprimir.aspx?…1467... – Em cache – Similares

Exibir mais resultados de http://www.tj.sp.gov.br
TJSP instala quatro varas das Execuções Criminais na capital26 Out 2007 … A juíza designada para assumir a 3ª Vara das Execuções Criminais é Andréa Barreira Brandão Montes. Sua competência abrange processos de …
http://go2.wordpress.com/?id=725X1342&site=flitparalisante.wordpress.com&url=http%3A%2F%2Fwww.jurisway.org.br%2Fv2%2Fnoticia.asp%3Fidnoticia... – Em cache – Similares
TJSP instala varas de Execução Criminal na capital | TJSP – Notícias29 Out 2007 … A magistrada da 3ª é Andréa Barreira Brandão Montes, e o da 4ª é Rogério Alcazar. Após o término da solenidade o presidente desembargador

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o recebimento do auxílio-…

ANS nega aquisição da carteira da Avimed pela Itálica

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) negou a aquisição da carteira de beneficiários da operadora Aviccena Assistência Médica Ltda, conhecida também como Avimed, pela operadora Itálica Saúde. A alienação compulsória da carteira havia sido determinada pela ANS através da Resolução Operacional nº 599, publicada no Diário Oficial da União em 19 de fevereiro de 2009. A Avimed teve um prazo de 30 dias para negociar a venda de sua carteira e, durante este período a Itálica Saúde Ltda apresentou proposta de compra. Para que a negociação seja feita é necessário análise e autorização da agência reguladora.

Neste momento a ANS aguarda o prazo legal para a apresentação de recursos e para a adoção de medidas previstas nos normativos correspondentes. Até que a autorização seja concedida, a Avimed ainda é a responsável pela assistência de seus atuais beneficiários, devendo manter integralmente seus contratos, conforme dispõem os parágrafos 3º e 4º do artigo 4º da Resolução Normativa nº 112,…

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data:08/05/2009
Fonte: BancáriosBoa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31.

A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empresa. Isto sem considerar a co-participação. "O …