Pular para o conteúdo principal

Planos coletivos: só um reajuste por ano

JORNAL DA TARDE - SEU DINHEIRO

 

Começam a valer hoje as novas regras para os planos de saúde coletivos propostas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em 15 de julho deste ano. A partir de agora, os contratos de empresas e de associações só poderão ser reajustados uma vez por ano, como já ocorre com os clientes individuais.

São cerca de 33 milhões de brasileiros - 14 milhões em São Paulo - que são cobertos por planos coletivos e serão beneficiados com as novas medidas. Segundo a ANS, o controle da periodicidade dos reajustes tem como objetivo evitar abusos das operadoras. Antes da regra, os aumentos poderiam ocorrer a qualquer momento ou conforme negociação entre empresa ou associação com o plano de saúde.

Outra mudança é para funcionários recém-contratados, que ficam livres do período de carência se aderirem ao plano oferecido pela empresa em até 30 dias da data de sua efetivação.

Os planos coletivos por adesão, que são oferecidos por associações de classe, também estão incluídos na regra de reajuste anual. Mas há normas mais rígidas para que entidades classistas passem a oferecê-los. De acordo com a ANS, só podem firmar contrato com a operadora as organizações que tenham “identidade de propósito”, como sindicatos, centrais sindicais, conselhos profissionais, por exemplo.

Medicamentos
Os clientes dos convênios podem passar a receber remédios das operadoras. A comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados aprovou na última semana que as empresas sejam obrigadas a cobrir custos de remédios de uso domiciliar. Também foi aprovado que as empresas apliquem reajuste igual para faixas de idade acima de 44 anos.

COMO ERA:
PLANOS EMPRESARIAIS
Reajustes: ocorriam a qualquer tempo, conforme negociações entre a operadora e a empresa

Carências: para mais de 50 funcionários não havia carências ou cobertura parcial para doenças preexistentes. Os prazos eram negociáveis, de até um ano

Dependentes: contratos de planos não adequados às novas regras da ANS não poderiam receber novos beneficiários

PLANOS DE ASSOCIAÇÕES
Reajustes: ocorriam conforme a negociação entre a operadora de saúde a associação contratante

Carência: podia haver carências por até um ano para planos com menos de 50 beneficiários e novos integrantes na adesão. Era permitida cobrança por cobertura parcial de doenças preexistentes

Contratação: quaisquer associações, igrejas, clubes e outras entidades podiam contratar planos e oferecer a seus associados, sem garantia da maioria da massa da população delimitada

COMO FICOU:
PLANOS EMPRESARIAIS
Reajustes: um por ano, sempre no aniversário do contrato entre empresa e operadora

Carências: não têm carência ou cobertura parcial para doenças preexistentes empresas com mais de 30 funcionários, desde que o pedido seja feito até 30 dias do aniversário do contrato

Dependentes: os contratos inadequados às regras da ANS não recebem novos beneficiários, exceto novo cônjuge e filho do titular

PLANOS DE ASSOCIAÇÕES
Reajustes: uma vez por ano, sempre no aniversário do contrato entre a empresa e a operadora

Carências: não existe para associação com 30 ou mais integrantes e para quem entrar no plano até 30 dias após o contrato; mantida a cobrança por cobertura parcial de doenças preexistentes

Contratação: apenas sindicatos, centrais e associações em que haja identificação entre a finalidade de associação e seus associados podem contratar.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Liminar suspende cobrança de aviso prévio por operadora de plano de saúde

A juíza Luciana Bassi de Melo, da 5ª Vara Cível de Pinheiros (SP), suspendeu a cobrança de aviso prévio por operadora de plano de saúde. A decisão liminar é desta terça-feira (1º/10).
Reprodução A antecipação de tutela pedia a suspensão da publicidade do nome de uma cliente como inadimplente. Seu nome constava nos cadastros de órgãos de proteção ao crédito por uma suposta dívida de R$ 7,5 mil com o plano de saúde. A advogada que atuou no caso, Juliana Akel Diniz, do escritório Fidalgo Advogados, explica que desde outubro de 2018 as operadoras de planos de saúde privada estão proibidas de cobrar mensalidades adicionais em caso de rescisão de contrato. "O cancelamento, seja lá por qual razão for, tem que ser imediato, sem nenhum tipo de cobrança de aviso prévio e/ou multa. Porém, na prática, as operadoras prestadoras de serviços, mesmo cientes disso, continuam cobrando esses valores dos consumidores, o que é ilegal e abusivo", afirma. Para a advogada, essa é "mais uma for…

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o recebimento do auxílio-…

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime.

A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida.

Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entretanto, foi julg…