Pular para o conteúdo principal

Plano de saúde terá novas coberturas e preço mais alto

JORNAL DA TARDE - ECONOMIA

 

 

 

 

A cobertura mínima oferecida pelos planos de saúde pode ganhar até 42 novos procedimentos obrigatórios. A lista será divulgada hoje pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e vai incluir exames como o petscan oncológico (para detectar câncer) e o transplante de medula óssea.

Embora trate-se de uma conquista importante para o beneficiário, não convém se iludir: o impacto financeiro que a adoção dessas técnicas causar às operadoras será repassado ao consumidor em forma de aumento das mensalidades. Porém, estima-se que os novos procedimentos só comecem a pesar no bolso do cliente a partir de 2011 - a ANS deveria ter divulgado o rol ainda em 2009 para que ele entrasse em vigor a tempo de ser incorporado ao reajuste de 2010, cujo anúncio está programado para maio. Mas o novo rol deve passar a valer só em junho.

Em 2008, a ANS adicionou de uma só vez 150 procedimentos ao rol obrigatório. No reajuste de preços anunciado em abril de 2009, que foi calculado com base no aumento de custos que as operadoras registraram nos 12 meses anteriores, a nova lista teve o peso de 1,1 ponto porcentual no índice de aumento total, que foi de 6,76%. Isso porque os procedimentos incluídos eram baratos (como a vasectomia), porém registravam grande frequência de utilização.

Desta vez, a lista não é tão numerosa como a de 2008. Em contrapartida, ela inclui itens mais caros. Apenas o exame de petscan oncológico custa cerca de R$ 4 mil. Sem falar do transplante de medula óssea, cujo preço pode chegar a R$ 85 mil, e de outras técnicas adotadas em cirurgia ou diagnóstico de doenças. O atenuante é que a demanda por esses procedimentos é considerada baixa. Além disso, a ANS deve limitar cobertura obrigatória do exame só para a verificação de suspeita de câncer no tórax e mediastino - reivindicação das empresas.

Ainda assim, especialistas asseguram que a mudança terá impacto nos preços dos planos. “A divulgação de um novo rol sempre tende a aumentar os custos das operadoras e, consequentemente, encarecer as mensalidades”, diz Marcos Bosi Ferraz, diretor do Centro Paulista de Economia da Saúde. “Porém, só vai ser possível saber qual será o impacto financeiro quando as operadoras constatarem qual é a demanda real e se os médicos utilizarem os recursos de forma consciente.”

Carlos Suslik, coordenador do MBA Executivo em Gestão de Saúde HIAE - Insper, explica que novas tecnologias que serão incorporadas no novo rol não eliminam exames anteriores. Pelo contrário: são aditivas, tornando o diagnóstico e o tratamento mais precisos, mas às vezes mais caros . Porém, ele enfatiza que parte dos novos procedimentos podem ajudar a prevenir doenças. “Isso serviria para diminuir o custo das operadoras no médio prazo”, diz.

Daniela Trettel, advogada do Idec, acha que “o certo seria abolir o rol e instruir as operadoras a cobrirem qualquer procedimento de que o paciente necessite ainda que isso revertesse em aumento de preços.”

Carolina Dall’Olio e Fabiane Leite

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece