Pular para o conteúdo principal

Regulação excessiva asfixia setor de saúde suplementar

O impacto das RN's - resoluções normativas - 195 e 196 implantadas há cerca de seis meses pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ainda gera debate e questionamentos sobre até que ponto a regulação por parte da autarquia é saudável. Este foi o tema do encontro promovido nesta terça-feira, 25 de maio, pela Associação dos Corretores de Planos de Saúde e Odontológicos de SP (Acoplan), em parceria com o Clube Vida em Grupo de SP (CVG-SP) na Feira Hospitalar. Os advogados Angélica Carlini e Luiz Celso explicaram não só os detalhes das regras, mas o impacto que elas trazem para o setor, seja ele positivo ou não, e também as funções das agências reguladoras e o poder das mesmas. "Esperamos que este evento seja um elo inicial do nosso debate com a ANS para discutirmos a complexidade do mercado de saúde buscando concretizações", afirmou Ariovaldo Bracco, presidente da Acoplan. Para Angélica Carilini, a ANS não vai parar de lançar Resoluções Normativas tão cedo. "Muita regulação asfixia o setor ao invés de contribuir. Uma das funções da Agência é contribuir para o desenvolvimento de ações de saúde no País", observou ela. "Para isso, a autarquia tem de conhecer muito bem o mercado e conversar com os players, ter uma agenda comum para discutir prioridades e não esmagá-lo com controle excessivo". Na opinião da advogada, esta postura não tem sido adotada por nenhuma agência reguladora, independente do seu meio de atuação. Sobre o papel dos corretores de planos de saúde diante deste cenário, a especialista destacou que é preciso profissionalizar o canal de vendas e ter um material de esclarecimentos para que os clientes entendam todas essas mudanças que acontecem no setor. "As informações têm de ser regionais porque o Brasil é muito grande e cada corretor precisa estudar mais e se comunicar conforme o perfil do seu cliente, criando canais para isso", orientou ela. Outro entrave que prejudica o setor, segundo Angélica, é a questão do consumo sustentável. "Também é dever dos corretores explicar a importância da mutualidade no setor de saúde, evitando que conflitos cheguem ao judiciário", alertou. Mesma opinião compartilhou o advogado Luiz Celso. Segundo ele, é preciso alertar os beneficiários que exames só têm de ser feitos quando necessário. "Quem paga a conta é a própria carteira", garantiu ele, que completou: "E também o mutualismo". Sobre as principais mudanças causadas pelas RN?s 195 e 196, o especialista elencou a reajuste fixado uma vez ao ano, a figura das administradoras de benefícios, que passaram a ser reguladas pela ANS, formas de contratação, carências, entre outros. Para as operadoras, os riscos que podem advir das recentes resoluções, na visão do advogado, são a maneira como negociar e aplicar um único reajuste, oportunidades de negócios e de observar o padrão adotado pela concorrência. Já para as administradoras de benefícios, os riscos são: fidelização da carteira, competitividade e a regulação, que passou a ser feita pela autarquia. "O canal de vendas terá menos oportunidades por conta das restrições do mercado, mas os corretores devem aproveitar o giro da carteira para prestar serviços e fidelizá-la", acrescentou. "É importante que eles fortaleçam e criem parcerias não só com as operadoras, mas também com as administradoras de benefícios". Por último, ele destacou as mudanças para os contratantes. Além da migração oportunista, do reajuste anual e a questão dos agregados, prestadores e terceiros, Luiz Celso questionou a possibilidade da Agência querer incentivar os planos individuais. "Esse formato só voltará a ter destaque no mercado quanto tiver concorrência e a política de reajuste não seja de 'faz de conta'. Falta segurança jurídica e isso trava a volta dos planos individuais para a comercialização", finalizou. www.cqcs.com.br

 

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece