Pular para o conteúdo principal

Regulação excessiva asfixia setor de saúde suplementar

O impacto das RN's - resoluções normativas - 195 e 196 implantadas há cerca de seis meses pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) ainda gera debate e questionamentos sobre até que ponto a regulação por parte da autarquia é saudável. Este foi o tema do encontro promovido nesta terça-feira, 25 de maio, pela Associação dos Corretores de Planos de Saúde e Odontológicos de SP (Acoplan), em parceria com o Clube Vida em Grupo de SP (CVG-SP) na Feira Hospitalar. Os advogados Angélica Carlini e Luiz Celso explicaram não só os detalhes das regras, mas o impacto que elas trazem para o setor, seja ele positivo ou não, e também as funções das agências reguladoras e o poder das mesmas. "Esperamos que este evento seja um elo inicial do nosso debate com a ANS para discutirmos a complexidade do mercado de saúde buscando concretizações", afirmou Ariovaldo Bracco, presidente da Acoplan. Para Angélica Carilini, a ANS não vai parar de lançar Resoluções Normativas tão cedo. "Muita regulação asfixia o setor ao invés de contribuir. Uma das funções da Agência é contribuir para o desenvolvimento de ações de saúde no País", observou ela. "Para isso, a autarquia tem de conhecer muito bem o mercado e conversar com os players, ter uma agenda comum para discutir prioridades e não esmagá-lo com controle excessivo". Na opinião da advogada, esta postura não tem sido adotada por nenhuma agência reguladora, independente do seu meio de atuação. Sobre o papel dos corretores de planos de saúde diante deste cenário, a especialista destacou que é preciso profissionalizar o canal de vendas e ter um material de esclarecimentos para que os clientes entendam todas essas mudanças que acontecem no setor. "As informações têm de ser regionais porque o Brasil é muito grande e cada corretor precisa estudar mais e se comunicar conforme o perfil do seu cliente, criando canais para isso", orientou ela. Outro entrave que prejudica o setor, segundo Angélica, é a questão do consumo sustentável. "Também é dever dos corretores explicar a importância da mutualidade no setor de saúde, evitando que conflitos cheguem ao judiciário", alertou. Mesma opinião compartilhou o advogado Luiz Celso. Segundo ele, é preciso alertar os beneficiários que exames só têm de ser feitos quando necessário. "Quem paga a conta é a própria carteira", garantiu ele, que completou: "E também o mutualismo". Sobre as principais mudanças causadas pelas RN?s 195 e 196, o especialista elencou a reajuste fixado uma vez ao ano, a figura das administradoras de benefícios, que passaram a ser reguladas pela ANS, formas de contratação, carências, entre outros. Para as operadoras, os riscos que podem advir das recentes resoluções, na visão do advogado, são a maneira como negociar e aplicar um único reajuste, oportunidades de negócios e de observar o padrão adotado pela concorrência. Já para as administradoras de benefícios, os riscos são: fidelização da carteira, competitividade e a regulação, que passou a ser feita pela autarquia. "O canal de vendas terá menos oportunidades por conta das restrições do mercado, mas os corretores devem aproveitar o giro da carteira para prestar serviços e fidelizá-la", acrescentou. "É importante que eles fortaleçam e criem parcerias não só com as operadoras, mas também com as administradoras de benefícios". Por último, ele destacou as mudanças para os contratantes. Além da migração oportunista, do reajuste anual e a questão dos agregados, prestadores e terceiros, Luiz Celso questionou a possibilidade da Agência querer incentivar os planos individuais. "Esse formato só voltará a ter destaque no mercado quanto tiver concorrência e a política de reajuste não seja de 'faz de conta'. Falta segurança jurídica e isso trava a volta dos planos individuais para a comercialização", finalizou. www.cqcs.com.br

 

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data: 08/05/2009 Fonte: Bancários Boa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31. A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empr

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime. A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida. Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entre