Pular para o conteúdo principal

Um terço reprova plano de saúde

O ombro quebrado não foi o único problema que D. T. C., de 74 anos, teve depois de uma queda em casa. Ao acionar a operadora do plano de saúde, a idosa descobriu que não tinha direito à internação e ao material cirúrgico para a operação.

A situação dela é semelhante a de muitos usuários, segundo pesquisa de percepção social dos serviços de saúde feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgada ontem: um terço dos clientes de convênios médicos reclama da não cobertura de doenças e procedimentos.

Na pesquisa, foram ouvidas 2.773 pessoas de todo o País. A falta de cobertura foi a segunda reclamação mais frequente entre os usuários de convênios, atrás apenas do preço das mensalidades, líder do ranking de insatisfação. A terceira queixa mais comum é o fato das seguradoras não pagarem alguns tratamentos.

“As reclamações de não cobertura e falta de pagamento são bem similares”, explica a técnica de planejamento e pesquisa do Ipea, Luciana Servo. “Juntas, as queixas incomodam mais os clientes do que o preço da mensalidade”, diz.

Para a administradora K. S. C., de 38 anos, nora de D., o efeito da carência e limitações na cobertura médica são mais graves do que o valor dos convênios. “A gente nunca tinha usado o plano de saúde. Não dá pra saber se é bom antes de realmente precisar. A gente até paga caro, mas espera que tudo se resolva quando preciso”, completa K.

Em nota, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), órgão regulador do setor de convênios, afirma que todos os problemas apontados na pesquisa “estão sendo tratados com prioridade”.

A agência atribui parte das queixas aos “planos de saúde antigos”, anteriores à lei de regulamentação das empresas. Pela legislação em vigor, a ANS obriga a seguradora a listar em contrato todos procedimentos, tratamentos, equipamentos cobertos e carências.

“Os detalhes do contrato devem ser observados pelos clientes”, ressalta a técnica do Ipea. A pesquisa avaliou também a percepção do brasileiro em relação ao Sistema Único de Saúde (SUS). O acesso gratuito ao serviço médico e aos medicamentos é apontado como o principal benefício do sistema público de saúde.

“São serviços não oferecidos no setor privado. O usuário de convênio particular identifica isso como benéfico e carente no sistema particular”, observa Luciana. No SUS, o estudo do Ipea aponta as filas nos hospitais e postos, a demora entre o agendamento e a realização da consulta e a falta de médicos como os principais problemas.

A avaliação é dos próprios usuários do sistema. Maria Aparecida Miranda de Paula Machado, doutora em saúde pública e professora da Universidade de São Paulo, reconhece que faltam médicos especialistas no SUS e sugere a criação de redes que “conversem entre si” como alternativas para contornar o problema da demora nos exames e consultas. “Seria uma forma de regularizar o que é feito hoje por muitos pacientes”, afirma.

A PESQUISA

Percepção do brasileiro em relação aos serviços de saúde.
Pesquisa realizada em novembro de 2010, com 2.273 pessoas

SERVIÇO PÚBLICO (SUS)
Pontos positivos
Acesso gratuito – 53,2%
Atendimento sem distinção – 48,9%
Distribuição gratuita de medicamentos – 33,4%

Problemas
Falta de médicos – 58%
Demora para ser atendido – 35,9%

CONVÊNIOS PARTICULARES
Pontos positivos
Rapidez para realizar consultas ou exames – 40%
Benefício oferecido gratuitamente pelo empregador – 29,2%
Liberdade para escolha do médico que irá atendê-lo – 16,9%

Problemas
Preço da mensalidade – 39,8%
Não cobertura de alguma doença ou procedimento – 35,7%

FELIPE ODA
LAIS CATTASSINI

JORNAL DA TARDE - GERAL

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data: 08/05/2009 Fonte: Bancários Boa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31. A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empr

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime. A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida. Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entre