Pular para o conteúdo principal

Um terço reprova plano de saúde

O ombro quebrado não foi o único problema que D. T. C., de 74 anos, teve depois de uma queda em casa. Ao acionar a operadora do plano de saúde, a idosa descobriu que não tinha direito à internação e ao material cirúrgico para a operação.

A situação dela é semelhante a de muitos usuários, segundo pesquisa de percepção social dos serviços de saúde feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgada ontem: um terço dos clientes de convênios médicos reclama da não cobertura de doenças e procedimentos.

Na pesquisa, foram ouvidas 2.773 pessoas de todo o País. A falta de cobertura foi a segunda reclamação mais frequente entre os usuários de convênios, atrás apenas do preço das mensalidades, líder do ranking de insatisfação. A terceira queixa mais comum é o fato das seguradoras não pagarem alguns tratamentos.

“As reclamações de não cobertura e falta de pagamento são bem similares”, explica a técnica de planejamento e pesquisa do Ipea, Luciana Servo. “Juntas, as queixas incomodam mais os clientes do que o preço da mensalidade”, diz.

Para a administradora K. S. C., de 38 anos, nora de D., o efeito da carência e limitações na cobertura médica são mais graves do que o valor dos convênios. “A gente nunca tinha usado o plano de saúde. Não dá pra saber se é bom antes de realmente precisar. A gente até paga caro, mas espera que tudo se resolva quando preciso”, completa K.

Em nota, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), órgão regulador do setor de convênios, afirma que todos os problemas apontados na pesquisa “estão sendo tratados com prioridade”.

A agência atribui parte das queixas aos “planos de saúde antigos”, anteriores à lei de regulamentação das empresas. Pela legislação em vigor, a ANS obriga a seguradora a listar em contrato todos procedimentos, tratamentos, equipamentos cobertos e carências.

“Os detalhes do contrato devem ser observados pelos clientes”, ressalta a técnica do Ipea. A pesquisa avaliou também a percepção do brasileiro em relação ao Sistema Único de Saúde (SUS). O acesso gratuito ao serviço médico e aos medicamentos é apontado como o principal benefício do sistema público de saúde.

“São serviços não oferecidos no setor privado. O usuário de convênio particular identifica isso como benéfico e carente no sistema particular”, observa Luciana. No SUS, o estudo do Ipea aponta as filas nos hospitais e postos, a demora entre o agendamento e a realização da consulta e a falta de médicos como os principais problemas.

A avaliação é dos próprios usuários do sistema. Maria Aparecida Miranda de Paula Machado, doutora em saúde pública e professora da Universidade de São Paulo, reconhece que faltam médicos especialistas no SUS e sugere a criação de redes que “conversem entre si” como alternativas para contornar o problema da demora nos exames e consultas. “Seria uma forma de regularizar o que é feito hoje por muitos pacientes”, afirma.

A PESQUISA

Percepção do brasileiro em relação aos serviços de saúde.
Pesquisa realizada em novembro de 2010, com 2.273 pessoas

SERVIÇO PÚBLICO (SUS)
Pontos positivos
Acesso gratuito – 53,2%
Atendimento sem distinção – 48,9%
Distribuição gratuita de medicamentos – 33,4%

Problemas
Falta de médicos – 58%
Demora para ser atendido – 35,9%

CONVÊNIOS PARTICULARES
Pontos positivos
Rapidez para realizar consultas ou exames – 40%
Benefício oferecido gratuitamente pelo empregador – 29,2%
Liberdade para escolha do médico que irá atendê-lo – 16,9%

Problemas
Preço da mensalidade – 39,8%
Não cobertura de alguma doença ou procedimento – 35,7%

FELIPE ODA
LAIS CATTASSINI

JORNAL DA TARDE - GERAL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o recebimento do auxílio-…

ANS nega aquisição da carteira da Avimed pela Itálica

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) negou a aquisição da carteira de beneficiários da operadora Aviccena Assistência Médica Ltda, conhecida também como Avimed, pela operadora Itálica Saúde. A alienação compulsória da carteira havia sido determinada pela ANS através da Resolução Operacional nº 599, publicada no Diário Oficial da União em 19 de fevereiro de 2009. A Avimed teve um prazo de 30 dias para negociar a venda de sua carteira e, durante este período a Itálica Saúde Ltda apresentou proposta de compra. Para que a negociação seja feita é necessário análise e autorização da agência reguladora.

Neste momento a ANS aguarda o prazo legal para a apresentação de recursos e para a adoção de medidas previstas nos normativos correspondentes. Até que a autorização seja concedida, a Avimed ainda é a responsável pela assistência de seus atuais beneficiários, devendo manter integralmente seus contratos, conforme dispõem os parágrafos 3º e 4º do artigo 4º da Resolução Normativa nº 112,…

Liminar suspende cobrança de aviso prévio por operadora de plano de saúde

A juíza Luciana Bassi de Melo, da 5ª Vara Cível de Pinheiros (SP), suspendeu a cobrança de aviso prévio por operadora de plano de saúde. A decisão liminar é desta terça-feira (1º/10).
Reprodução A antecipação de tutela pedia a suspensão da publicidade do nome de uma cliente como inadimplente. Seu nome constava nos cadastros de órgãos de proteção ao crédito por uma suposta dívida de R$ 7,5 mil com o plano de saúde. A advogada que atuou no caso, Juliana Akel Diniz, do escritório Fidalgo Advogados, explica que desde outubro de 2018 as operadoras de planos de saúde privada estão proibidas de cobrar mensalidades adicionais em caso de rescisão de contrato. "O cancelamento, seja lá por qual razão for, tem que ser imediato, sem nenhum tipo de cobrança de aviso prévio e/ou multa. Porém, na prática, as operadoras prestadoras de serviços, mesmo cientes disso, continuam cobrando esses valores dos consumidores, o que é ilegal e abusivo", afirma. Para a advogada, essa é "mais uma for…