Pular para o conteúdo principal

Rede Própria pode ser um risco para usuários de planos

O esforço dos planos de saúde para aumentar a rede própria de atendimento - hospitais, ambulatórios e laboratórios - levanta uma série de questões que deveriam merecer a atenção de todos os que têm uma parcela de responsabilidade nesse problema, pois ele diz respeito a 50 milhões de brasileiros, número estimado de clientes dessas empresas. A responsabilidade maior é do poder público, tanto porque a ele cabe fiscalizar o setor como também porque o crescimento dos planos é uma consequência direta da má qualidade da saúde pública.

Pelo menos 40% dos planos já têm rede própria de atendimento, como mostra levantamento da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) feito a pedido do Estado. Em princípio, essa deveria ser uma boa notícia, porque tem havido um claro descompasso entre a expansão dos planos e o crescimento da rede privada de atendimento. Esta última não consegue dar conta dos novos clientes. A verdade é que os planos venderam muito mais do que poderiam entregar.

Por isso, quando a ANS fixou, em dezembro de 2011, prazos máximos para cirurgias, exames laboratoriais e consultas, ficou claro que as boas intenções estavam em conflito com a realidade, porque dificilmente os planos teriam condições de respeitar as regras. O que se esperava deles para mudar a situação - e que se constata agora que está sendo feito - era investir na ampliação da rede de atendimento.

Mas infelizmente a tentativa de solução do problema pela criação e expansão de redes próprias de atendimento tem também aspectos negativos a considerar. Se por um lado essa ampliação da oferta de leitos hospitalares e da capacidade de realização de exames ajuda a melhorar o atendimento dos pacientes, por outro limita a sua capacidade de escolha, um dos elementos mais prezados por eles quando decidem pagar por um plano de saúde.

A tendência natural dos planos é levar os pacientes, por meio das centrais de agendamento, a fazer todos os procedimentos de que precisam nas redes em que investiram. Elas chegam a representar 80% das opções oferecidas aos pacientes. Uma das grandes empresas do setor, com 6,8 milhões de clientes, já tem 27 hospitais e 40 ambulatórios. O diretor nacional da rede da Amil, que tem mais de 3 mil leitos, Vinícius Ferreira Rocha, vê na verticalização dos planos, como é chamada a criação de redes próprias, um grande avanço, pela maior oferta de vagas e por criar "um vínculo maior com a equipe médica".

Embora admita que possa haver conflito de interesses, na medida em que cabe aos planos autorizar os procedimentos, ele afirma que os pacientes continuam podendo recorrer à rede aberta privada, com possibilidade de reembolso.

No extremo oposto, coloca-se o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), João Ladislau Rosa. A seu ver, com isso só os planos saem ganhando. "A partir do momento em que a livre escolha acaba, não há vantagens para o usuário. Ainda que inicie o tratamento no local de sua preferência (a rede aberta privada), o paciente pode ser transferido a qualquer momento para a rede própria do plano", diz ele. O modelo é ruim também para os médicos, porque "quem é contratado para atender em um hospital de operadora tem suas decisões limitadas. Perde autonomia até para solicitar exames".

Estes são argumentos de peso, que deveriam levar as autoridades da ANS a reforçar os instrumentos de fiscalização dos planos diante dessa nova situação. A agência reconhece que existe risco de prejuízo para os usuários, mas sustenta que as normas já existentes são suficientes. Serão mesmo? As queixas contra os planos nos órgãos de defesa do consumidor indicam que todo cuidado é pouco.

Proteger os usuários dos planos, que a eles aderiram para escapar das mazelas da saúde pública, é dever do poder público. Se os planos caminham para um novo modelo que já suscita críticas duras de entidades respeitáveis, é obrigação da ANS rever, sim, as normas, para bem cumprir sua função fiscalizadora.
Fonte: O Estado de S.Paulo
28/02/2014

Postagens mais visitadas deste blog

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece

APOSENTADOS E DEMITIDOS: MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE

Data: 08/05/2009 Fonte: Bancários Boa parte dos trabalhadores que se aposentam ou são demitidos após muitos anos de banco passam pelo mesmo problema: perdem a cobertura de seus planos de saúde e, ao procurar um novo, se deparam com os altíssimos valores cobrados pelas empresas para fornecer planos novos para pessoas mais velhas. No entanto, a secretária de assuntos jurídicos da Contraf/CUT, Mirian Fochi, explica que a legislação brasileira tem alguma proteção aos trabalhadores nessa situação, garantindo que eles possam manter seu plano de saúde, desde que assumam o seu pagamento integral. A garantia está prevista na Lei 9656/98, expressamente nos artigos 30 e 31. A assessora jurídica da Contraf-CUT, Déborah Blanco, explica que para usufruir os benefícios da Lei é necessário que o trabalhador tenha contribuído com algum valor, mínimo que seja, no período que esteve em atividade na empr

STJ aumenta indenização por morte decorrente de demora em atendimento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou em R$ 150 mil o valor da indenização a ser paga pela U.S.S. S/A ao filho de uma segurada, falecida em decorrência de demora injustificada na autorização de sua cirurgia cardíaca. Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram aumentar o valor fixado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – R$ 20 mil –, considerando que este não combina com os valores aceitos pela Corte Superior. A decisão foi unânime. A ação foi ajuizada contra a U. e seu diretor técnico buscando condená-los à reparação pelos danos morais experimentados em virtude da morte da segurada, tendo em vista a demora no fornecimento de senha e autorização para que essa fosse submetida à cirurgia cardíaca que poderia ter lhe salvado a vida. Na primeira instância, o pedido contra a U. foi julgado procedente para condená-la ao pagamento de R$ 10 mil por danos morais. O pedido contra o diretor técnico, entre