Pular para o conteúdo principal

Tribunal contraria jurisprudência ao negar cirurgia a beneficiário de plano



O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) negou ao beneficiário de um plano de saúde o direito de realizar uma cirurgia prescrita pelo médico que não estava prevista na cobertura do serviço contratado. A decisão contrariou a jurisprudência construída pelo TJSP... 

Segundo a sócia do Raeffray Brugioni Advogados, Ana Paula Oriola de Raeffray, defensora da empresa de assistência médica vencedora do processo, o juízo abriu um precedente importante para a melhoria do ambiente de negócios no ramo de saúde. "Em geral, tanto o TJSP quanto o Superior Tribunal de Justiça (STJ) dizem que se há prescrição médica, o plano tem que cobrir", afirma ela. 

A ação chegou à Justiça com a reclamação de um segurado contra seu plano de saúde que recusava cobrir uma prostatectomia radical por videolaparoscopia robótica. Na primeira instância, foi julgado procedente o pleito do paciente, de modo que a administradora do plano foi obrigada a dar cobertura ao procedimento, além de pagar uma indenização de R$ 12 mil por danos morais. 

Inconformada, a seguradora apelou da decisão, argumentando que o procedimento foi autorizado, mas sem a técnica de robótica, que além de não estar prevista no contrato também não consta na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O relator da ação no TJSP, desembargador Teixeira Leite, entendeu que ficou claro que a cirurgia robótica não é o único procedimento possível para a cura. 

"Assim, métodos mais caros devem ser custeados pelo segurado, sendo sua a opção quanto a estes benefícios", destacou o relator no acórdão. 

Na opinião da advogada, o entendimento do TJSP pode reduzir o volume de reclamações por exclusão de cobertura. Segundo ela, por conta da crise, muitas pessoas estariam se aproveitando do Judiciário para receber tratamentos mais caros do que os previstos em contrato. "A conta da obrigação [imposta na Justiça] é paga pelos demais participantes do seguro", avalia. 

O sócio do Rosenbaum Advogados, Léo Rosenbaum, admite que por causa da crise, quem nunca tinha entrado com ação por medo, hoje discute seus problemas no Judiciário com muita frequência porque sabe que na maioria dos casos vai ganhar as suas ações. "O trabalho dos advogados aumenta em épocas de recessão, porque muitas pessoas, já que não conseguem liquidez pelas vias normais, acabam tentando se beneficiar do Judiciário", comenta. 

De acordo com pesquisa divulgada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, de 2010 a 2014 foram julgados em segunda instância pelo TJSP 37.609 processos relacionados a planos de saúde. Só na comarca de São Paulo, de 2013 a 2014, foram gerados 4.059 acórdãos. Em 92,4% deles, foi dado o ganho de causa ao consumidor. 

O fenômeno se vê também fora da iniciativa privada. Segundo dados do Ministério da Saúde, de 2010 a julho de 2016 houve um aumento de 727% nos gastos da União com ações judiciais para aquisição de medicamentos, equipamentos, insumos, realização de cirurgias e depósitos judiciais. 

Constituição 

O motivo dessa aparente predileção da Justiça pelo beneficiário, na opinião de Ana Paula, é que a jurisprudência brasileira é mais "principiológica", colocando os preceitos afirmados pela Constituição Federal acima dos contratos. "O artigo 196 da Constituição diz que a saúde é de direito de todos e de obrigação do Estado. O contrato é a lei que existe entre as partes, mas o valor é visto como mais importante do que a lei", explica. 

Já Rosenbaum esclarece que em casos relacionados a saúde, a norma que rege o Código de Defesa do Consumidor (CDC) de que em caso de dúvida a decisão deve ser favorável ao consumidor é muito usada. "Se existe alguma limitação no contrato com relação a um tratamento para questão de vida, essa cláusula é considerada abusiva à luz do CDC." 

Na opinião de Ana Paula essa visão de que o consumidor é hipossuficiente em relação ao plano de saúde não deve ser generalizada. "A pessoa não é ignorante em relação ao rol de procedimentos cobertos pelo plano. O beneficiário tem condições de saber que tipo de cobertura possui. O que não dá para fazer é comprar um fusca e esperar receber uma Ferrari." 

Rosenbaum ressalva que apesar dos frequentes abusos, a jurisprudência está correta em afirmar que quem determina o melhor tratamento é o médico e não o juiz. 

Ricardo Bomfim

DCI - LEGISLAÇÃO & TRIBUTOS

Postagens mais visitadas deste blog

Empresas não são obrigadas a cumprir aviso prévio de 60 dias para cancelamento de plano de saúde

  Fim do ano passado, fui procurado por um cliente que tentou cancelar o plano de saúde de uma pequena empresa, porém a operadora exigiu o cumprimento de um aviso prévio de mais dois meses, mediante pagamento das respectivas mensalidades. O motivo do cancelamento foi o fechamento de um pequeno comércio, devido à crise financeira desencadeada pela pandemia do coronavírus. Ou seja, o cliente não teve mais condições financeiras de manter a empresa, muito menos de pagar o plano de saúde, quiçá por mais dois meses, como exigiu a operadora. Registradas reclamações no PROCON, no site RECLAME AQUI e na ANS, todas sem sucesso, o cliente decidiu levar a questão ao Poder Judiciário. A Justiça, por sua vez, concedeu liminar suspendendo as cobranças, pois o Juiz entendeu que a própria ANS havia publicado uma resolução anulando um dispositivo que permitia a exigência do aviso prévio. Trata-se da Resolução Normativa 455/2020 da ANS, que anulou o parágrafo único, do artigo 17, da Resolução Normativa

Ex-empregados não devem pagar a mensalidade do plano de saúde por faixa etária, exceto se cobrado também dos empregados, decide STJ

Desde a criação da lei dos planos de saúde, em 1998, os consumidores que pagam uma parte do convênio médico contratado pela empresa onde trabalham, no caso de demissão ou aposentadoria, podem continuar usufruindo da assistência médica pagando o valor integral da mensalidade. Até 2011, o valor mensalidade correspondia a soma das contribuições da empresa e do empregado. Por exemplo, se o empregado pagasse R$ 100,00 por mês de contribuição e a empresa pagasse mais R$ 200,00 para o custeio do plano de saúde, o ex-empregado continuaria com o convênio médico pagando R$ 300,00 por mês. No entanto, a partir de 2012, a ANS permitiu que as operadoras cobrassem valores por faixa etária dos ex-empregados, gerando valores muito superiores em relação a regra anterior. As operadoras, então, mantiveram a cobrança de valor único para os empregados, e valores por faixa etária para os demitidos e aposentados, o que gerou muitas reclamações e ações judiciais. Ontem, porém, o Superior Tribunal de Jus

Funcionário afastado tem direito ao plano de saúde?

Este é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença No intuito de oferecer o melhor para os funcionários e cumprir as exigências previstas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e acordo coletivos de trabalho, as empresas dispõem de inúmeros benefícios, muitos deles custeados parcialmente ou integralmente pelas companhias. Entre eles, o plano de saúde é um dos benefícios de custo elevadíssimo e que mais têm relevância no contrato do trabalho, tanto para o empregador, quanto - e principalmente - para o empregado. Este, aliás, é um tema que tem suscitado uma das maiores preocupações das empresas, sobretudo nos períodos de suspensão do contrato de trabalho quando o afastamento é por motivo de doença. Não raro, os departamentos de Recursos Humanos das empresas fazem o cancelamento do benefício do plano de saúde do empregado durante o rece